Governo federal demorou dois meses para responder proposta da Pfizer

Segundo depoimento de Fabio Wajngarten, o laboratório enviou carta a Bolsonaro em setembro de 2020, mas só teve resposta em novembro

Redação Publicado em 12/05/2021, às 15h56

None
Vacinação contra a Covid-19 (Foto: David Greedy / Getty Images)

Nesta quarta, 12, durante depoimento à Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI da Covid), o ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten afirmou que o governo federal demorou dois meses para responder proposta da Pfizer para a compra de vacinas. As informações são da Folha.

Segundo Waingarten, no dia 12 de setembro de 2020, a Pfizer enviou carta com proposta a Jair Bolsonaro (sem partido), ao gabinete do presidente, ao ministro da Economia Paulo Guedes e a Eduardo Pazuello, então ministro da Saúde. 

+++LEIA MAIS: Há um ano, Brasil batia 5 mil mortos e Bolsonaro dizia: 'E daí?' - agora são 400 mil

No documento, a Pfizer alertava sobre a importância da rapidez da resposta: "A potencial vacina da Pfizer/Biontech é uma opção muito promissora para ajudar o seu governo a mitigar essa pandemia. Quero fazer todos os esforços possíveis para que doses de nossa futura vacina sejam reservadas para a população brasileira. Porém, celeridade é crucial devido à alta demanda de outros países e ao número limitado de doses".

Contudo, o laboratório não teve resposta até 9 de novembro, dia no qual Waingarten respondeu à carta e marcou uma reunião com Carlos Murillo, então presidente da Pfizer. Apesar de avisar Bolsonaro sobre o encontro, realizado em 17 de novembro de 2020, o presidente não participou.

+++LEIA MAIS: Bolsonaro sobre tratamento precoce para Covid-19: 'Canalha é aquele que é contra'

O ex-secretário também afirmou que, nas discussões sobre as vacinas, a Pfizer não ofereceu 70 milhões de doses: "As propostas da Pfizer falavam no começo da conversa em irrisórias 500 mil doses".


+++ MV BILL: 'A GENTE TEM A PIOR POLÍTICA DE GOVERNO PARA O PIOR MOMENTO' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL