Graham Nash fala sobre apresentação do CSNY no Woodstock 1969: 'Foi primitivo e futurista'

Foi apenas o segundo show do CSNY e o público somava cerca de 400 mil pessoas

Redação Publicado em 17/08/2019, às 10h00

None
Graham Nash(esq) e Davis Crosby do grupo CSNY no palco do Woodstock em Bethel, Nova York, 17 de agosto de 1969 (Foto: Getty images)

Estávamos em Nova York com Joni Mitchell, e Elliot Roberts [que agenciava o CSNY e Mitchell] decidiu que Joni não deveria ir para o Woodstock porque ela já estava marcada para fazer o The Dick Cavett Show na TV. É um dos maiores créditos para ela, como artista, ter sido capaz de escrever a música "Woodstock"s em ter estado lá. Claro, quando você tem todas aquelas pessoas tagarelando para você sobre o que aconteceu, acho que é muito contagiante.  

E foi impressionante! Foi como Blade Runner, como olhando para L.A. no ano de 2050. Foi primitivo e futurista. E tinha uma energia do inferno fluindo lá. Indo aterrissar algo deu errado com o leme do helicóptero, então nós fomos para baixo muito forte, e aquilo foi assustador. Quando nós saímos do helicóptero, fomos cumprimentados por John Sebastian. Acendemos um e fizemos uma festa na tenda do Sebastian. Ele estava vestindo o que depois se tornou o seu uniforme, longas calças tie-dye, e também tinha lama na metade de suas pernas. Ele estava lá nos 3 dias, então ele nos contou histórias gráficas sobre chuva e lama.

LEIA MAIS: Woodstock: Rádio irá retransmitir o festival no mesmo horário de 1969 

Os bastidores eram totalmente caóticos. Havia tanta droga que é difícil de lembrar de qualquer coisa. qualquer momento em que nós três ou quatro ficávamos juntos - especialmente com o Airplane, Grateful Dead e o Sebastian - era sem sentido. Woodstock foi só o nosso segundo show, mas nós não tivemos medo do público, Nós estávamos mais preocupados com os nossos pares. Eu acho que Stephen [Stills] e eu estávamos um pouco mais nervosos que Hendrix e o Blood, Sweat and Tears estavam lá. E eu acho que Neil [Young] estava nervoso e tocas com a gente. Neil não está no controle quando está com a gente - não do jeito que ele gostaria de estar. Assim, eu acho que isso deixou ele um pouco nervoso. Eu não sei exatamente porque ele escolheu não estar no filme. 

Até agora muitas pessoas pensam que foi só a CSN que fez Woodstock, mas, de fato, foram nós quatro. Eu acho que fizemos um set barulhento. Quando você considera tocar guitarras acústicas para 400 mil pessoas e tentando alcançar o fundo com músicas como "Guinnevere," foi absurdo. Mas nós certamente fizemos o nosso melhor. Claro, "Suite" estava um pouco fora da afinação, mas e daí?

LEIA MAIS: Entrevista: "Fizemos tudo que estava ao nosso alcance", diz organizador do Woodstock 50

No dia seguinte, de volta a Nova York, eu pensava, "Isso realmente aconteceu? foi só um grande flash do ácido ou uma alucinação?" Foi só depois que comecei a botar isso em perspectiva. Era uma nova era, florescia uma geração de crianças que decidiram que seriam os responsáveis por suas próprias vidas e afetariam seus destinos, que eles poderiam coexistir com algumas outras centenas de milhares de pessoas sem entrar em situações violentas e apenas se divertir. 

Muitos de nós , desde então, nos afastamos do mito de Woodstock. É como se você estivesse no Woodstock e você está entusiasmado, aí você é um hippie de 1969, você terá um desconto. Mas nunca terá algo tão bom quanto Woodstock, porque foi o primeiro e o melhor. Eu não acho que possam recriar aquilo. Havia um certo brilho sobre a década de 60, uma certa ingenuidade e exploração, uma emoção para um futuro que não existe mais. 

Uma versão dessa história foi publicada originalmente em 24 de agosto de 1989, na edição impressa da Rolling Stone EUA  

+++LISTA: 13 segredos de 'Ladrão', o terceiro disco do Djonga e um dos melhores de 2019