Greta Van Fleet mostra evolução musical em novo disco: 'Tempo na estrada nos deu experiência' [ENTREVISTA]

Em conversa com a Rolling Stone Brasil, baterista Danny Wagner conta como a experiência na estrada ajudou no álbum The Battle At Garden's Gate

Itaici Brunetti Publicado em 16/04/2021, às 10h12 - Atualizado às 10h40

None
Greta Van Fleet (Foto: Matthew Daniel Siskin)

Para um músico, não há escola melhor do que o palco e a vida na estrada. A prática do dia a dia, do show após show e do perrengue após perrengue o leva a outros níveis de crescimento musical e pessoal. The Battle At Garden's Gate, segundo álbum da "novata" banda Greta Van Fleet, lançado nesta sexta, 16, prova essa teoria.  

Alçados à "nova salvação do rock" e tocando sem parar ao redor do mundo nos últimos anos - inclusive, sendo uma das atrações do Lollapalooza Brasil de 2019 e conquistando os fãs brasileiros -, o Greta Van Fleetchegou "tinindo" ao estúdio para gravar o novo disco após inúmeros concertos realizados. Em entrevista à Rolling Stone Brasil, o baterista Danny Wagner contou sobre o processo: 

"Estivemos os últimos anos rodando na estrada e adquirindo conhecimento e experiência. Então, quando as turnês pararam e fomos para o estúdio, realmente nos impressionamos consigo mesmos como músicos, pois estávamos com muito mais prática e conhecimentos técnicos. Ter tocado tanto ao vivo fez a grande diferença na hora de fazer o álbum."

+++LEIA MAIS: Ame-os ou odeie-os: Greta Van Fleet lança clipe do novo single 'Age Of Machine'; assista

Danny Wagner, o único do grupo que não faz parte da família de irmãos Kiszka, formada por Josh (vocal), Jake (guitarra) e Sam Kiszka (baixo), continuou: "O álbum representa a evolução da banda e o crescimento musical e pessoal de cada um dos integrantes. É um disco cinemático e bastante intenso." 

Acusados de "copiarem" o som criado por bandas clássicas de rock da década de 1970, como o Led Zeppelin, por exemplo, desta vez o Greta Van Fleet ampliou o leque de referências. 

"Procuramos ouvir um monte de bandas diferentes, mas não somente pelos sons, mas também pelos ideais. Pelo que eles dizem, no que acreditam e o que os fazem fortes e tão grandes. E sempre caímos nos Beatles, que são os maiores de todos", revelou o músico. 

Capa de The Battle At Garden's Gate

Era da psicodelia 

Com músicas longas e solos de guitarras enormes, The Battle At Garden's Gate  apresenta uma sonoridade viajante e de atmosfera psicodélica. A música "Age of Machine" ultrapassa os seis minutos de duração, enquanto "The Weight of Dreams" tem quase nove. Apenas duas faixas, "Built By Nations" e "Tears of Rain", tem pouco menos de quatro minutos. 

"O álbum realmente tem canções um pouco longas", afirma Danny, e explica: "Nós nunca compomos pensando no tempo que as canções devem ter; se precisam ser curtas, rápidas ou consumíveis. Vamos sentindo as energias delas e às vezes acabam ficando compridas. Acontece muito isso e é divertido. Acreditamos que assim elas estão em suas formas mais verdadeiras." 

O sol de Los Angeles

Originais da cidade de Frankenmuth, do estado de Michigan, o Greta Van Fleet aponta a mudança de localidade como um dos fatores que influenciou a direção do novo álbum. The Battle At Garden's Gate foi gravado em Los Angeles com o produtor Greg Kurstin, que já trabalhou com Paul McCartney, Foo Fighters e Adele

"O engraçado é que muitas das novas músicas são antigas. 'Heat Above', por exemplo, foi escrita há seis ou sete anos. Várias músicas do disco nós vinhamos escrevendo durante os anos e nunca as terminávamos. Quando voltamos a trabalhar nelas, eu amei as mudanças que fizemos porque mostra quem somos agora.", disse o baterista. 

"E, definitivamente, Los Angeles nos fez ter uma outra visão sobre essas músicas antigas que escrevemos em outros lugares do mundo. O astral da cidade nos fez melhorá-las", enfatiza Danny antes de finalizar: "Se você for escutar o álbum inteiro, do início ao fim, eu recomendo ouvi-lo à noite, e de preferência olhando para as estrelas. Para mim, é o horário que ele funciona melhor."

+++LEIA MAIS: Greta Van Fleet é artista revelação da década, diz site


+++ LAGUM | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL


+++SAIBA MAIS: As 6 melhores músicas de Kurt Cobain [LISTA]

No dia 5 de abril de 1994, o lendário e inesquecível vocalista do Nirvana, Kurt Cobain, se suicidou aos 27 anos com um tiro na cabeça em Seattle, Washington, Estados Unidos. Desde então, deixou saudades eternas.

Marco para o grunge, músico fascinante, artista memorável e um dos principais nomes da música, Kurt Cobain fez história ao longo da carreira, principalmente acompanhado do Nirvana

+++LEIA MAIS: 10 curiosidades sobre Kurt Cobain que você - provavelmente - não sabia [LISTA]

As canções compostas pelo vocalista para o grupo relembram o quão importante e fantástico ele foi para a história da música. Faixas impecáveis como "Come As You Are", "All Apologies" e "Drain You" dificilmente serão esquecidas.

Para relembrar a grandiosidade do lado artístico de Kurt Cobain com o Nirvana, a Rolling Stone EUA listou as 6 melhores músicas da carreira do vocalista com a banda. Confira a lista:

+++LEIA MAIS: Nirvana quase se chamou Skid Row antes de escolher nome oficial; entenda


6 - All Apologies

Uma grande canção da discografia da banda, "All Apologies" apareceu originalmente no disco In Utero (1993). No entanto, a versão mais lembrada, e possivelmente querida pelo público, é a gravação de novembro de 1993 para o MTV Unplugged

+++LEIA MAIS: Como foi a passagem do Nirvana pelo Brasil em 1993: noite com João Gordo e caos no palco; assista ao show completo


5 - Drain You

O Nirvana escreveu muitas das canções do Nevermind (1991) antes de gravar o disco, mas a Rolling Stone EUA lembra que "Drain You" foi composta durante as sessões. Kurt Cobain nunca revelou quem inspirou a canção de amor, porém, foi escrita apenas três meses após ele conhecer Courtney Love.

Com certa frequência, Kurt afirmava ser uma das músicas favoritas dele da discografia da banda, e eles a tocaram basicamente em todos os shows nos últimos três anos de atividade enquanto grupo.

"Penso que há tantas outras canções que escrevi e são tão boas [como 'Smells Like Teen Spirit']. Como 'Drain You'. Eu amo a letra e nunca me canso de tocá-la. Talvez se fosse tão grande quanto 'Teen Spirit', eu não gostaria tanto", contou à Rolling Stone em 1993.

+++LEIA MAIS: O dia em que Kurt Cobain teve overdose de heroína antes de tocar no Saturday Night Live [FLASHBACK]


4 - Come As You Are

Kurt Cobain era um grande fã dos Pixies e nunca escondeu isso. Muitas vezes, o músico  recorria ao método de composição usado pela banda. "Estou ficando tão cansado dessa fórmula. Nós dominamos isso", disse à Rolling Stone em 1993.

Segundo a Rolling Stone EUA, porém, um dos melhores exemplos da fórmula é "Come As You Are", o segundo single de Nevermind(1991). Para a RS EUA, a versão do Unplugged é particularmente poderosa, e o refrão continua assustador.

+++ LEIA MAIS: Fotógrafo encontra imagens inéditas de um dos primeiros shows do Nirvana no Reino Unido


3 - Heart-Shaped Box

Em uma entrevista de 1994 à Rolling Stone,Courtney Love lembrou-se de ter ouvido o processo de composição de "Heart-Shaped Box": "Tínhamos um armário enorme. E eu o ouvi lá trabalhando em 'Heart-Shaped Box'. Ele fez isso em cinco minutos."

Kurt Cobain começou a trabalhar na música no início de 1992, e a canção foi a escolhida como primeiro single de In Utero(1993). A Rolling Stone EUA lembra que o disco foi produzido por Steve Albini, e a gravadora temeu não ser comercial o suficiente, e Scott Litt foi chamado para remixar a faixa. 


2 - Smells Like Teen Spirit

"Smells Like Teen Spirit" foi a canção que trouxe toda a atenção mundial para o Nirvanae deu início a uma nova era da música - e é um dos principais hits da história. "Eu estava tentando escrever uma música pop", disse o vocalista à Rolling Stone em 1993.

"Todo mundo se concentrou tanto nessa música e o motivo pelo qual ela teve uma grande reação é que as pessoas a viram na MTV um milhão de vezes", contou o artista na mesma entrevista.

+++LEIA MAIS: Quantos anos tinha Kurt Cobain quando escreveu 'Smells Like Teen Spirit'?


1 - Lithium

Não, a Rolling Stone EUA não escolheu "Smells Like Teen Spirit" para o primeiro lugar deste ranking. Segundo a revista, o terceiro single de Nevermind(1991) merece a colocação.

"Lithium" é uma música sobre um cara que passa a se dedicar à religião depois da morte da namorada. Isso o acalma, muito parecido com uma dose de lítio real. É uma incrível música e um dos principais destaques na discografia do Nirvana

+++LEIA MAIS: Dave Grohl diz que Kurt Cobain foi 'o maior compositor de sua geração'