Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Greve dos roteiristas deveria acabar por 'amor ao trabalho', diz CEO milionário da Warner

David Zaslav, CEO da Warner, defendeu que roteiristas consigam pagamentos justos e pediu fim da greve

Redação Publicado em 05/05/2023, às 15h38

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
David Zaslav, CEO da Warner (Foto: Getty Images)
David Zaslav, CEO da Warner (Foto: Getty Images)

David Zaslav, CEO da Warner Bros. Discovery, falou sobre a greve dos roteiristas de Hollywood, que começou na última terça, 2. O executivo pediu fim da paralisação e afirmou que defende salários mais justos.

"Somos uma empresa contadora de histórias e temos lutado para conseguir que os melhores criadores para trabalhar na Warner Bros. Para criar uma ótima narrativa, precisamos de grandes escritores, e precisamos que toda a indústria trabalhe em conjunto e todos merecem ser pagos de forma justa. Portanto, nosso foco número um é tentar resolver isso," Zaslav afirmou no programa CNBC (via O Globo).

+++ LEIA MAIS: Roteiristas de Hollywood anunciam greve após 15 anos

A greve foi anunciada pelo Writers Guild of America (Associação de Escritores da América), também conhecido como sindicato dos roteiristas nos Estados Unidos, após seis semanas de negociação com a Alliance of Motion Picture and Television Producers (AMPTP), representante dos estúdios.

O sindicato "iniciou este processo com a intenção de fazer um acordo justo, mas as respostas dos estúdios foram totalmente insuficientes, dada a crise que os escritores estão enfrentando," lê a nota emitida pela organização. Na garantia mínima de uma temporada, que dura entre 10 e 52 semanas, os estúdios e serviços de streaming não concordaram com uma “taxa diária” para escritores.

Embora Zaslav, que faturou US$ 250 milhões em 2022, seja um dos alvos de críticas dos roteiristas, ele defendeu que trabalhadores voltem aos postos por amor: "Acho que o amor pelo negócio e o amor pelo trabalho [podem unir os lados]. Todos entramos neste negócio porque amamos contar histórias, queremos entreter e, quando estamos no nosso melhor, temos a chance de causar impacto na cultura… E é isso que vai nos unir."

+++LEIA MAIS: Sindicato dos roteiristas de Hollywood pedem para usar ChatGPT em seus roteiros