A guitarra hipnótica de Eddie Van Halen [ENTREVISTA]

“A primeira vez em que girei o amplificador até o 10 e ele distorceu, pensei ‘Aeeeeee!’”

Redação Publicado em 06/10/2020, às 18h03

None
Eddie Van Halen (Foto: Kevin Winter / Getty Images)

Não há como pensar na história do rock, principalmente quando o assunto são guitarras eletrizantes e solos hipnóticos, o nome Eddie Van Halenvir a cabeça. Dono de uma habilidade gigantesca com o instrumento, o músico revolucionou a própria década e as seguintes — algo que apenas grandes já haviam ousado em fazer, entre eles Jimi Hendrix e Eric Clapton, quando o assunto era guitarra. 

+++ LEIA MAIS: 2020 será o ano em que a Fender mais vendeu guitarras na história

Nesta terça, 6, essa figura célebre, contudo, saiu de cena. Após uma longa batalha contra um câncer, Eddie, fundador da banda Van Halen, morreu aos 65 anos. A notícia foi confirmada pelo próprio filho, Wolfgang Van Halen, nas redes sociais oficiais do guitarrista. 

Com isso, resgatamos momentos importantes que o músico compartilhou com os fãs, a imprensa e, claro, com toda a indústria fonográfica. A seguir, uma conversa com o guitarrista Eddie Van Halen, escrita por Brian Hiatt, para à Rolling Stone EUA, e publicada na Rolling Stone Brasil em 2010. 

+++ LEIA MAIS: David Lee Roth e irmãos Van Halen sempre se odiaram, afirma vocalista

Como você começou a tocar guitarra?

Meu irmão e eu fomos forçados a fazer aulas de piano, e não era divertido para mim. Escutava música na minha cabeça, mas não podia tocá-la. Um dia, comprei uma bateria e, de alguma forma, minha mãe convenceu meu irmão Alex a fazer aulas de violão flamenco. Eu entregava jornais para pagar pela bateria, e enquanto ficava fora jogando jornais, o Alex ficou melhor do que eu na bateria, então falei "OK, que se dane, vou tocar sua guitarra."

Quais foram as primeiras músicas que você aprendeu a tocar?

The Ventures: "Pipeline", "Wipe Out", esse tipo de coisa. Meu irmão e eu amávamos Dave Clark Five, mas não era uma banda realmente voltada para a guitarra. A primeira vez em que girei um amplificador até o 10 e ele distorceu, pensei "Aeeee! Isto é divertido,"

Você acabou fazendo uma cover de outro clássico dos anos 60, "You Really Got Me", do Kinks, em seu primeiro álbum.

Em nossos shows, tocávamos essa e "All Day and All of the Night" e, sabe, alguns rocks semi-obscuros antigos. Sempre gostei de pegar aviões de brinquedo e transformá-los em jatos. Para mim, é assim que "You Really Got Me" soa. A nossa é como whooosh [risos].

Qual foi a importância do Kinks para você?

Apenas gosto das músicas. Não quero parecer arrogante ou algo assim, mas nunca fui muito fã de bandas fora do Cream, e quase não ouço nada atualmente. Acho que o último disco que comprei foi o So, do Peter Gabriel. Com o Cream, eu era mais fã da interação ao vivo deles. Sabe, eles foram um exemplo de "Qual é a diferença entre o jazz e o rock & roll? Simplesmente tocamos mais alto". É isso. Temos 12 notas, faça o que quiser com elas, sabe?

Sua maior inovação foi o tapping de duas mãos - usando-as para tocar as notas simultaneamente com a palheta. De onde tirou essa ideia?

Estava vendo o Jimmy Page fazer [canta um lick de martelada na guitarra], desse jeito, com uma mão, em "Heartbreaker". Pensei "Consigo tocar assim e ninguém saberia se eu estava usando este dedo [aponta para a mão esquerda] ou este" [aponta para a mão direita]. Mas você meio que move por aí, e é como se fosse "Você tem uma mão grande, cara, que espalhamento!"

Este se tornou o som mais imitado do hard rock.

Bom, a culpa não é minha. Não tenho nada a ver com isso. O tapping era parte de meu jeito de tocar desde 1972. No início, meu irmão falava para eu ficar de costas no palco para que ninguém pudesse ver o que eu estava fazendo até lançarmos o álbum.

Seu jeito de tocar guitarra rítmica não é muito valorizado.

Músicos de verdade me respeitam mais pelo meu jeito de tocar guitarra rítmica do que pelo meu solo, porque fazer solos é quase como ficar se exibindo - a não ser que você esteja realmente improvisando a partir da melodia de uma música. Mas, na verdade, sou bastante rítmico, porque sou o único guitarrista da banda, então tenho que cobrir os dois lados. Sempre acreditei piamente que a música deve se manter sem nada de cantoria. Quer dizer, ouça Beethoven, sabe. Ninguém está cantando ali.

Alguém levou a guitarra elétrica mais longe do que você conseguiu com o Van Halen?

Difícil dizer. Especialmente hoje, com todos os efeitos e Pro Tools e isso e aquilo. Você não sabe mais o que é o quê.


O texto acima foi publicado originalmente na Rolling Stone EUA, em 2010, e escrito por Brian Hiatt. A Rolling Stone Brasil traduziu o material e publicou no site no dia 12 de abril de 2010. 


+++ TERNO REI: ‘ANTES DE LANÇAR, VOCÊ NUNCA SABE SE É BOM OU RUIM’ | ROLLING STONE