Guitarrista do Black Keys revela primeiro single de projeto paralelo

Acompanhado por “amigos”, Dan Auerbach comanda The Arcs em “Stay In My Corner”, canção inspirada por pugilismo

Rolling Stone EUA Publicado em 09/06/2015, às 18h37 - Atualizado às 19h32

Dan Auerbach, guitarrista e vocalista do Black Keys
Owen Sweeney/AP

O projeto paralelo de Dan Auerbach, The Arcs, revelou o primeiro single da banda nesta terça, 9. “Stay in My Corner” traz o guitarrista e vocalista do Black Keys acompanhado pelos amigos Leon Michels, Richard Swift, Homer Steinweiss, Nick Movshon e Kenny Vaughan.

“Gotta Get Away”, do Black Keys, está na nossa lista de melhores músicas internacionais de 2014.

Inspirada pela recente luta entre os pugilistas Floyd Mayweather e Manny Pacquiao, em Las Vegas, a faixa tem pouco mais de três minutos e sai também em vinil de sete polegadas, com a canção “Tomato Can” – também com temática relacionado ao pugilismo – no lado B. Auerbach é um boxeador que pratica regularmente em sua garagem ou nos camarins antes de shows.

“Stay in My Corner” e “Tomato Can” antecipam o disco Yours, Dreamily, que sairá em 4 de setembro pela gravadora Nonesuch Records. Após o lançamento do disco – e algumas apresentações já marcadas com o Black Keys –, Auerbach sairá em turnê de dois meses com o Arcs para divulgar o projeto paralelo.

Ouça “Stay in My Corner” abaixo.

The Arcs

Dan Auerbach – cujo último disco solo é Keep It Hid, de 2009 – gravou o novo álbum como The Arcs informalmente em salas de ensaio e em um estúdio no Brooklyn com o amigo Leon Michels, com quem ele trabalhou em projetos de Dr. John e Lana Del Rey.

Vida Pop - Um protesto contra quem vai a show de rock para posar de cool em vez de se divertir.

“Foi feito muito rápido, em cerca de uma semana e meia ou duas”, conta. Auerbach diz que gravou com “um monte de pessoas diferentes – minhas favoritas”, sendo elas Richard Swift, Homer Steinweiss, Nick Movshon e Kenny Vaughan, além de Michels. O líder do Black Keys lançará Yours, Dreamily em setembro.

“Só queria fazer minhas coisas e obter algo excessivamente esquisito”, comenta sobre a sonoridade do registro. “Queria que tudo fosse fluido e coeso. Várias das faixas se misturam umas às outras, mais ou menos como o Grateful Dead – nos meus discos favoritos em que eles fizeram isso. Então tenho várias canções conectadas. É basicamente tudo que amo na música embrulhado em um álbum – é isso!”

Edição 93 (perfil) – No auge do sucesso, o Black Keys encontrou uma nova maneira de chegar ao fundo do poço.

O cantor e guitarrista diz que essa energia “excessivamente esquisita” será aplicada também aos vídeos. “Agora estou finalizando a parte gráfica, trabalhando em um clipe em quadrinhos com um jovem que vive em Bakersfield e nunca fez um vídeo antes”, diz Auerbach.

Ele sintetiza: “Meio ridículo. Estou apenas me divertindo. Basicamente, fazendo música sem responsabilidade”.