Há 35 anos, Marlon Brando recusava o Oscar

Vencedor por O Poderoso Chefão, ator rejeitou o prêmio em protesto a favor da inclusão dos índios americanos nos filmes de Hollywood

Da redação Publicado em 27/03/2008, às 16h21 - Atualizado às 16h41

Sacheen Littlefeather defendeu os direitos dos índios na 45ª cerimônia do Oscar
Reprodução

Em 27 de março de 1973 o ator Marlon Brando entrou para a história. Não por ganhar o segundo Oscar de sua carreira pelo papel de Vito Corleone em O Poderoso Chefão, e sim porque decidiu rejeitá-lo em prol da inclusão de índios americanos em papéis de destaque na TV e cinema estadunidenses.

Na ocasião, o ator enviou a ativista Sacheen Littlefeather, que leria um discurso seu, à cerimônia. Sabendo do que ia acontecer, a organização do Oscar proibiu que a índia falasse mais do que 45 segundos. Foi o que ela fez, se dirigindo ao backstage logo em seguida para apresentar o texto de Brando na íntegra à imprensa.

Marlon Brando foi o segundo ator a rejeitar a estatueta dourara, antes dele apenas George C. Scott (que venceu o Academy Awards por Patton) havia recusado o prêmio. Até hoje, não se sabe o que foi feito com a estatueta do Don Corleone.

Três dias depois do incidente, em 20 de março de 73, o The New York Times publicou o discurso de Brando na íntegra. Leia aqui. Abaixo um vídeo com os melhores momentos do Oscar em todos os tempos. Aos 7 min, Sacheen Littlefeather faz o discurso do ator, confira.