Há 40 anos, o primeiro Walkman mudou a forma de ouvir música [ANÁLISE]

Dos boombox ao Daily Mix do Spotify - a música portátil começou em 1979 quando a Sony lançou o seu primeiro Walkman

Yolanda Reis Publicado em 01/07/2019, às 16h20

None
Há 40 anos, a Sony lançava o Walkman TPS-L2 (Foto: Reprodução / YouTube)

Hoje é fácil ouvir música em qualquer lugar que você vá. Você só precisa do seu celular, um fone de ouvido e uma playlist feita com todas as suas preferências no Spotify. Mas antes, não era bem assim. Se quisesse ouvir qualquer coisa fora de casa, precisava levar junto um enorme e pesado aparelho de boombox.

Então imagina o alívio - e  a mudança - que aconteceu quando, há exatos 40 anos, chegou ao mercado uma caixinha pouco maior que um maço de cigarros que permitia que você ouvisse suas fitas favoritas em qualquer lugar. Era o Walkman TPS-L2 da Sony, o primeiro aparelho de música portátil da história. 

+++ Como a era do streaming está salvando Led Zeppelin e outras bandas antigas do esquecimento?

Quando a empresa apresentou o gadget, muitos achavam que ia ser um fracasso - afinal, embora permitisse ouvir fitas cassetes, não havia como gravar mixtapes, um dos passatempos favoritos dos jovens amantes de música dos anos 1980, além de seu preço ser bem salgado. Mas apesar dos mau presságios, o caro Walkman foi um sucesso. Lançado no Japão, em dois meses vendeu 50 mil unidades e chegou aos EUA.

Walkman TPS-L2 da Sony


O Walkman era diferente. Não apenas por permitir que a pessoa não levasse um enorme rádio nos ombros, e sim uma música que cabia no bolso - mas porque deixava que cada um ouvisse, pessoalmente, o que quisesse e quando quisesse. “Este é o produto que vai satisfazer todos os jovens que querem ouvir música o dia todo”, explicou Akio Morita, CEO da Sony da época, no lançamento. “Eles poderão levá-lo onde quiser e…. Se colocarmos isso com um fone de ouvido estéreo, é um sucesso.”

Então não apenas a música agora era portátil e pessoal, era também de qualidade. O Walkman permitiu tudo isso: ouvir seus artistas favoritos em alta-definição, como se estivesse no seu quarto - mas na verdade sentado no ônibus, a caminho da aula ou do trabalho. “A música soava como a do stereo que as pessoas tinham em casa por causa do fone especializado, mas era sua e apenas sua. O fenômeno do fone de ouvido stereo definiu a geração dos anos 1980 que é indulgente e quase egoísta para alguns”, opinou Stewart Wolpin, historiador de música, ao Independent.

+++ Venda de discos de vinil aumenta em 2019 graças a Queen e Billie Eilish

O aparelho ganhou, nos anos seguintes, muitas imitações e incrementações devido ao seu sucesso. Mas a Sony continuou liderando o negócio. E, cinco anos depois, em 1984, lançou mais uma novidade na música, o Discman D-50.

Relativamente, era mais caro do que o Walkman - custava, na época, o mesmo que uma aparelhagem completa para um som em casa (com vitrola, espaço para CDs, fitas K7 e rádio, além das caixas de som estéreo). Mas a melhor qualidade de som dos CDs, comparadas ao desgaste das K7, fez com que suas vendas decolassem.

Durante as quase duas décadas seguintes, a Sony e seus Discman dominaram o mercado de música portátil. Foram lançados modelos mais leves e resistentes, à prova d’água, com qualidade melhor… Mas perderam o rumo ao não apostar em um novo formato: o MP3

O novo século começou com uma nova marca. A Apple lançou o primeiro iPod, modelo chamado Classic, em 2001. Era um modo completamente diferente de ouvir música. Com o formato em MP3, ninguém mais precisava carregar porta-CDs e fitas nas mochilas - e nem um estoque infinito de pilhas. O slogan usado, “1 mil músicas no seu bolso”, já previa a maior mudança na música feita desde o lançamento do Walkman. O primeiro modelo tinha 5 GB, e deixava 1 mil músicas à disposição. Dois anos depois, já existiam iPods com até 40 GB. 

Desde o lançamento da Apple, quase ninguém queria continuar carregando Discmans, que além de grandes, não tinham espaço para gravar músicas e eram sensíveis a movimentos. A praticidade do iTunes, uma biblioteca virtual que já permitia a compra faixas isoladas além de discos e as colocasse aos milhares em um microaparelho, começou a ditar o jogo da música.

Nos anos seguintes ao lançamento do primeiro iPod, surgiram diversos aparelhos que tocavam MP3, cada vez menores e mais compactos e com mais espaço de armazenamento. Várias empresas desenvolveram seus próprios aparelhos, e em pouco mais de dois anos já era possível até ver filmes inteiros nas telinhas dos MP3 e MP4 players, e aparelhos de CDs e fitas K7 eram obsoletos.

E, embora a Sony tenha chegado atrasada na onda digital, conseguiu mais uma parte importante na trajetória da música portátil. Depois dos iPod, a maneira de ouvir música foi em celulares. E não tinha marca mais relevante nessa área do que a Sony Ericsson, da divisão de aparelhos tecnológicos da Sony. Em 2005, quatro anos depois do primeiro iPod e na época que boa parte da população já tinha um celular, a Sony Ericsson lançou o primeiro celular da linha Walkman, o W800i, feito especialmente para ouvir música - em sua memória cabiam cerca de 50 horas de músicas. 

Primeiro iPod, o Classic, lançado em 2001
W800i, celular da Sony Ericsson da linha Walkman


A partir desse lançamento, a pessoa não precisava mais carregar dois aparelhos - um para música e vídeos e outro para música. Um só bastava. A Sony Ericsson virou referência em celulares com música, e chegou a lançar 33 aparelhos apenas na linha Walkman. Até que, em 2007, a Apple voltou para o jogo com o primeiro iPhone, que tinha em si todas as funções do iPod e um formato de smartphone - com downloads de apps e internet e o uso do 3G. 

Desde então, a tecnologia sofreu evoluções vertiginosas. Os sistemas operacionais da Apple (iOS) e do Google (Android) cresceram e competem diretamente, os smartphones se multiplicaram e novos gadgets surgiram incessantemente. Junto disso, a evolução da internet de satélite - o 3G sendo a principal delas, pois permitiu às pessoas o acesso rápido, fácil e completo à internet. E, com a internet no seu bolso o tempo inteiro, até mesmo o MP3 e o MP4 passaram a ser dispensáveis.

Assim, nasceu o modo que ouvimos música hoje: o streaming. O novo formato usa a rede da internet (que já temos em celulares) para fazer o download de informações presentes em um banco de dados. Torna prático ouvir músicas e ver vídeos - só escolher um título e clicar. 

O Spotify, principal empresa do ramo, nasceu em em 2008, logo no começo dos smartphones. Sete anos depois, em 2015, já estava disponível em mais de 20 plataformas, entre smartphones, smartTVs e consoles de videogame. Hoje, tem mais de 250 milhões de assinantes (100 milhões desses pagam), e ditou o novo modo de ouvir música. Embora seja o maior na área, compete hoje com Google Music, Apple Music, Amazon, Deezer, entre outros. 

Por isso, hoje é fácil ouvir a música que quiser, onde e quando quiser. Não precisamos mais de boombox, fitas cassetes, rádios, aparelhos exclusivos de MP3, tempo no computador baixando música e as transferindo. Na nova e prática forma de música portátil, o streaming, só precisamos de um aparelho celular, um fone de ouvido,  e tempo para criar playlists.

+++ De Emicida a Beyoncé: Drik Barbosa escolhe os melhores de todos os tempos