Hacker que vazou disco de Madonna é condenado a 14 meses de prisão

Adi Lederman, ex-American Idol, confessou o crime

Redação Publicado em 10/07/2015, às 15h53 - Atualizado às 16h09

Madonna
AP

No final de novembro de 2014, Madonna estava na África, visitando escolas construídas pela fundação beneficente Raising Malawi, criada por ela, quando ocorreu o primeiro vazamento: 40 segundos de “Rebel Heart”, uma faixa desafiadora e dançante, caíram na internet.

Madonna revela história por trás do lançamento antecipado do novo disco

Três semanas depois, o que parecia ser apenas um episódio isolado se tornou um desastre. Madonna estava de volta a Nova York, em 17 de dezembro, quando fãs começaram a alertá-la via Instagram de que 13 demos gravadas para seu inacabado 13º álbum, também chamado Rebel Heart, haviam sido postadas ilegalmente online e estavam se alastrando como um incêndio florestal.

Madonna apresenta performance de tirar o fôlego no Tonight Show; veja.

Em janeiro, Adi Lederman, de 38 anos, hacker acusado de invadir os computadores de Madonna, foi preso em Israel; dias depois, em 3 de fevereiro, a suposta versão deluxe de Rebel Heart, com 25 faixas, caiu na internet. O ex-participante da versão israelense do reality show American Idol foi condenado na última terça-feira, 7, a 14 meses de prisão.

Os melhores discos internacionais de 2014.

Segundo o site TMZ, Adi Lederman, de 38 anos, que mora em Tel Aviv, fez um acordo e confessou que vazou fotos e músicas inéditas da Madonna na internet. Ele foi condenado por violação de privacidade e de direitos autorais.