Haim explora intimidade e criatividade no novo disco Women In Music Pt. III [Review]

Este, Danielle e Alana apostam em um processo intuitivo de criação no terceiro disco da carreira

Julia Harumi Morita | @the_harumi Publicado em 04/07/2020, às 12h00

None
Haim (Foto: Reprodução / Instagram)

Com Women In Music Pt. III, as irmãs Haimdão intimidade aos ouvintes e mostram confiança ao falarem clara e diretamente sobre as dores pessoais de cada uma delas, Este, Danielle e Alana.

O terceiro disco da carreira do trio estava programado para o mês de setembro, mas com a pandemia do coronavírus suspendendo as atividades da indústria da música por tempo indeterminado, as artistas mudaram de ideia e lançaram o álbum no dia 26 de junho - uma escolha reconfortante para aqueles que ainda estão isolados em casa.

O trio abre o disco com “Los Angeles”, uma canção que deixa evidente, logo de cara, o interesse das irmãs em novas dimensões do rock. A canção traz um saxofone surpreendente, que introduz um flerte refrescante com o neo soul e  R&B. 

+++ LEIA MAIS: Julian Casablancas tenta fazer cover de "Under Pressure" com Danielle Haim - mas nenhum deles sabe a letra; assista

Os novos elementos se misturam com os vocais suaves de Danielle e as guitarras californianas que acompanham a conversa da vocalista com a cidade natal, tão incômoda, mas tão confortável ao mesmo tempo.

As batidas marcantes continuam em “The Steps”, porém, desta vez, vão de encontro à sonoridade característica do rock dos anos 1970. A canção de refrão inquietante ganhou um clipe que representa bem a nova fase das artistas: o impulso sincero de limpar o batom vermelho na regata branca, cuspir a pasta de dente no espelho e se jogar subitamente na piscina.

Entre as pequenas transições de gênero do disco - que a cada música parecem contrariar, de alguma forma, a faixa anterior - as Haimcantam sobre os sentimentos que surgem em momentos de solidão, como é possível perceber nas canções “I Know Alone” e “Up From A Dream”.

+++ LEIA MAIS: “As Haim são o melhor exemplo do que somos como banda”, diz Isaac, do trio Hanson

“Algumas coisas nunca mudam / Elas nunca desaparecem / Nunca acaba / Algumas coisas nunca crescem / Eu sei sozinha como ninguém mais sabe”, canta Danielle em “I Know Alone”. 

O trio também retoma o tema dos relacionamentos amorosos. “Gasoline” apresenta uma relação incerta, mas tentadora, que ganha um groove envolvente e declarações ainda mais reveladoras em “3 am”. 

“Por que você está ligando? / Três da madrugada, minha cabeça está girando / Empurrei os lençóis da minha cama / Porque o telefone continua tocando / Tudo o que fico pensando é: Eu enlouqueci? / Mas estou atendendo pela última vez”, diz o refrão de “3am”. 

+++ LEIA MAIS: 8 discos de rock que a Rolling Stone amou nos anos 1970, mas você nunca ouviu falar [LISTA]

De acordo com a Rolling Stone EUA, as Haimtrazem as referências musicais delas e se aproximam do folk de Joni Mitchell em diversos momento do álbum, como em “Leaning On You” e, principalmente, em “The Man From the Magazine”. 

A letra desta última canção citada é autoexplicativa e retrata momentos em que as artistas tiveram que lidar com o machismo no mundo da música, tanto no palco quanto em entrevistas.

“The Man From The Magazine” traz um som cru e revela o longo período de quase 10 anos que separa Women In Music Pt. III dos hits radiofônicos do trabalho de estreia do trio, Days Are Gone, de 2013.

+++ LEIA MAIS: As reviews de Gigaton, disco do Pearl Jam: ‘Pessimismo de Eddie Vedder’ e ‘o melhor em 20 anos

Porém, apesar da longa distância, as irmãs não perderam o contato com o pop rock new wave característico da banda, que pode ser visto nas canções “Don’t Wanna” e “Now I’m It” do novo trabalho. 

Por fim, nas faixas bônus, as Haim encerram o disco com duas canções tranquilas. Em “Hallelujah”, cada uma das integrantes assume os vocais para falar sobre as imperfeições da vida e como a irmandade delas ajudou no processo de resiliência.

Em entrevista à Billboard, Este, a mais velha das irmãs, contou que pensava em como é conviver com diabetes tipo 1 na cena do rock enquanto escrevia o verso dela. Já Alana disse que mentalizou a época em que tinha 20 anos, quando precisou lidar com o luto da melhor amiga.

+++ LEIA MAIS: Rockstar desde pequeno: Keith Richards foi expulso dos escoteiros por bebidas alcoólicas e brigas

Danielle também canta sobre a sensação de ser acolhida pela família, mas o desabafo da líder das Haim surge com mais detalhes em “Summer Girl”. A canção inspirada em “Walk On The Wild Side”, de Lou Reed, remete ao período em que o namorado da vocalista e produtor da banda, Ariel Rechtshaid, foi diagnosticado com câncer.

“As lágrimas por trás dos seus óculos escuros / Os medos dentro de seu coração tão profundos quanto cortes / Ande do meu lado, não atrás de mim / Sinta meu amor incondicional.”

Ao lado do parceiro e de Rostam Batmanglij, ex-integrante do Vampire Weekend, Danielle assumiu a produção do disco e apostou em um processo intuitivo de criação das canções, dos clipes e até mesmo do nome do álbum, que surgiu de um sonho da vocalista.

+++ LEIA MAIS: O Respiro e o Fôlego do Scalene

Mesmo tendo interrompido os pequenos shows de divulgação em delicatessens, as Haim buscaram novas formas de se conectar com os fãs, seja com aulas de dança no Zoom ou mensagens de voz personalizadas para ajudar os fãs a lidarem com ligações inesperadas às três da madrugada.

Ao longo das 16 faixas de Women In Music Pt. III, Este, Danielle e Alana ignoram as expectativas criadas sobre a banda para construir uma narrativa sonora íntima, experimental e espontânea.


+++ RAEL | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO