Homem cria ‘trânsito’ no Google Maps por andar com vários celulares ligados - de propósito; entenda

O artista Simon Wreckert criou a ilusão de congestionamento para criticar ambos os carros e a dependência de apps

Redação Publicado em 04/02/2020, às 12h26

None
Trecho de vídeo do artista Simon Wreckert (foto: reprodução YouTube)

O artista alemão Simon Wreckert andou por várias vias de Berlim com vários celulares ligados em um carrinho de mão, e criou alarmes de trânsito falsos no Google Maps.

O resultado desse misto de hack com intervenção artistíca foi deixar vazias as ruas pelas quais Wreckert passava. “Ao transportar os smartphones na rua, sou capaz de gerar um trânsito virtual, que leva o aplicativo a indicar outras rotas para os carros e motoristas”, contou o artista em entrevista ao site Motherboard.

+++LEIA MAIS: ‘Black Mirror do Brasil’: conheça Onisciente, nova série de ficção brasileira que chegou à Netflix

"Ironicamente, isso pode gerar um engarrafamento real em outro lugar da cidade", completou Wreckert. Ele também contou que tomou essa iniciativa para mostrar o espaço urbano desnecessário dado aos automóveis e criticar a dependência de tecnologia.

Assista ao hack de Simon Wreckert abaixo:


"Não é loucura o [quanto] espaço é ocupado por um carro em uma cidade em comparação com o uso?", disse o artista. "Esse truque nos mostra o que é possível com esta tecnologia e em quem confiamos."

+++LEIA MAIS: Isso é muito Black Mirror: conheça o Replika, um app que quer ser seu amigo

Para fazer a proeza, Wreckert alugou 99 smartphones, todos dispositivos Android, e comprou 99 chips para eles. Ele disse que passou uma ou duas horas em cada ponto, andando de um lado para o outro na rua para gerar um engarrafamento.

"Meu sentimento subjetivo era que mesmo esse curto período já era suficiente para mudar o tráfego na rua", disse ele.

"O mapa não é o território... É outra versão da realidade", disse Wreckert, citando o semanticista Alfred Korzybski. “Os dados são sempre traduzidos para o que eles podem ser apresentados. As imagens, listas, gráficos e mapas que representam esses dados são todas interpretações e não existem números neutros. Os dados são sempre coletados para uma finalidade específica, por uma combinação de pessoas, tecnologia, dinheiro, comércio e governo. ”


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL