Homem que ligou para a polícia na ocasião da morte de Prince comenta “tragédia”

“As pessoas ali estavam perturbadas, o que foi o motivo pelo qual fui eu quem fez a ligação”, escreveu Andrew Kornfeld

Rolling Stone EUA Publicado em 03/06/2016, às 20h29 - Atualizado às 20h42

Em 2011, escolhendo ser chamado de TAFKAP – The Artist Formely Known as Prince –, em cima do piano em show no Hop Farm Festival, depois de ter tocado o instrumento
Cap

Um dia depois do resultado da autópsia que confirmou que Prince morreu de overdose acidental de opioide ser divulgado, Andrew Kornfeld, o homem que fez a trágica ligação ao 911 chamando a polícia no complexo Paisley Park, em 21 de abril – e filho de um médico, chamado de última hora para ajudar o cantor a combater o vício –, falaram abertamente à CNN sobre o incidente.

“Como eu disse à pessoa do 911 em 21 de abril, as pessoas ali estavam perturbadas, o que foi o motivo pelo qual fui eu quem fez a ligação”, escreveu Kornfeld. “Mas o que aconteceu me fez pensar, longa e profundamente, sobre que passos deveríamos ter dado para prevenir a perda completamente desnecessária de uma vida.”

Na última quinta, 2, o Midwest Medical Examiner confirmou que Prince sofreu uma overdose acidental do opioide Fentanyl, um narcótico usado para tratar de dor severa. Kornfeld, filho do especialista em vício Howard Kornfeld, detalhou os próprios problemas dele com dores extremas como resultado de uma batalha com a doença de Crohn, notando que ele poderia relacionar com o que Prince lidou e por que o artista sentiu que necessitava de medicação constantemente.

“A morte dele foi uma tragédia que vai além das palavras. Ele foi uma inspiração para tantos e, no pouco tempo que eu passei em Minnesota, consegui ver como ele era um bom amigo para aqueles que estavam próximos a ele”, escreveu Kornfeld. “Nas semanas que se passaram desde 21 de abril, tenho pensado sobre o que pode ter causado um fim tão repentino. E se os problemas dele pudessem ser identificados efetivamente e muito anteriormente?”

Os comentários de Kornfeld, na íntegra, podem ser encontrados no site da CNN.