Hulk ‘original’ não gosta da versão atual de Mark Ruffalo no MCU: ‘Não me impressiona’

Lou Ferrigno, ex-fisiculturista, interpretou o herói na série O Incrível Hulk, de 1978

Redação Publicado em 14/01/2020, às 20h46 - Atualizado às 21h30

None
Lou Ferrigno em O Incrível Hulk (1978)

Em entrevista à FabTV no último domingo, 12, Lou Ferrigno, primeiro ator de Hulk, revelou que não gosta da versão atual de Mark Ruffalo no MCU. Segundo o astro as imagens em computação gráfica da Marvel tornam a aparência do herói inferior à versão de 1978, atuada por ele.

+++ LEIA MAIS: Cena engraçada de Hulk em Vingadores: Ultimato foi improvisada

Ferrigno interpretou o personagem em 1978, quando Hulk era apresentado aos espectadores pela série de TV norte-americana O Incrível Hulk. Na produção, Ferrigno interpretava a versão verde do herói enquanto Bill Bixby era o personagem antes da transformação. 

Segundo o astro, a primeira versão do Hulk era "mais autêntica": “Hoje você tem toda essa computação gráfica. Não sei em que direção o Hulk está indo. É por isso que muitas pessoas voltam, elas se referem à série porque é mais orgânica, mais autêntica.” 

+++LEIA MAIS: Eterno Hulk, Lou Ferrigno ficou decepcionado com Vingadores: Ultimato - e culpa Mark Ruffalo e Disney

O ex-fisiculturista considera a atual versão do herói com uma aparência inferior comparada ao primeiro Hulk. O motivo, segundo o ator, é a confiança na computação gráfica. Segundo Ferrigno, o sentimento não é isolado, e sim compartilhado com "milhares de fãs".

"Porque é computação gráfica, e nada pode substituir o que Bill Bixby e eu fizemos. E da maneira que a Disney está moldando, não me impressiona. Precisa ser uma criatura. Eles tiraram a química. É por isso que muitas pessoas voltam à série. Tenho milhares de fãs chegando e me dizendo o quanto não estão felizes com a aparência do Hulk", explicou Ferrigno.

+++LEIA MAIS: Astro de Vingadores, Mark Ruffalo critica Bolsonaro após acusações contra Leonardo DiCaprio

+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'