Humoristas de esquerda? Tas responde a ataques criados por pergunta para Adnet: 'Temos que aprender a ir além da lacração'

O apresentador da TV Cultura foi criticado após pergunta ao colega no Roda Viva

Redação Publicado em 19/08/2020, às 10h55

None
Marcelo Tas no Roda Viva (Foto: Reprodução/YouTube)

Marcelo Tas, apresentador da TV Cultura, respondeu aos ataques recebidos na internet após participação no programa Roda Viva com Marcelo Adnet, transmitido na última segunda, 17, por uma pergunta sobre “humoristas de esquerda”. 

Durante a entrevista, Adnet declarou ter posicionamento político de esquerda e foi questionado por Tas. “Acho muito perigoso que a gente, como pessoas que trabalham com humor, tomar partido especialmente quando o humor é censurado - como no caso de Cuba, um país muito triste”, argumentou o apresentador do programa Provocações. “Quando o humorista se coloca partidariamente de esquerda, perde um pouco o fio da navalha, sabe?”

+++ LEIA MAIS: Marcelo Adnet sobre imitações e críticas à Bolsonaro: 'Ele sempre foi perigoso'

Tas apontou ainda a inexistência de humorista em países com regimes autoritários, como Cuba e China. Nas redes sociais, o questionamento foi muito criticado e o apresentador conversou com o UOL sobre a polêmica. 

“Apontei o fato incontestável de que em alguns países comandados e admirados pela esquerda, como Cuba, não existem humoristas em atividade. Isso não tem nada a ver com o bom humor e calor humano do povo cubano, evidentemente”, explicou Tas. “Mas com o fato de que na ilha impera um regime que não admite a crítica, nem de humoristas nem de partidos ou até mesmo jornais de oposição à ditadura de Fidel”.

+++ LEIA MAIS: Dani Calabresa relembra preconceito por ser mulher no humor: ‘Não podia falar palavrão, mas homens arrotavam e peidavam’

Tas reconheceu que humoristas não existem também em regimes autoritários de direita, mas apontou o privilégio do humor crítico “mesmo com a brutalidade bolsonarista vigente no Brasil”, como nas imitações de Adnet. “Todos têm direito de contestar minha opinião, evidentemente. Temos que aprender a ir além da lacração e do cancelamento, sintomas clínicos da fragilidade do debate no Brasil”, concluiu.


+++ DECLACRUZ SOBRE FILHOS, VIDA E MÚSICA: 'ME ENCONTREI NO AMOR, NA FAMÍLIA, NO LADO BOM'