Jethro Tull: Ian Anderson revela sofrer de ‘doença pulmonar incurável’

"Eu luto contra isso", disse o flautista, acrescentando que os dias dele estão contados"

ANGIE MARTOCIO, Rolling Stone EUA Publicado em 13/05/2020, às 09h55

None
Ian Anderson (Foto: AP Images)

Em uma entrevista recente à série de TV de Dan Rather, The Big Interview (A Grande Entrevista, em português), Ian Anderson, ex-líder do Jethro Tull, revelou que sofre de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

“Vou lhe contar uma coisa que nunca contei para ninguém publicamente”, disse o flautista. “Estou sofrendo de uma doença pulmonar incurável com a qual eu fui diagnosticado há alguns anos.”

+++ LEIA MAIS: O impacto do coronavírus no mercado mundial da música eletrônica

"Eu luto contra isso", continuou ele. “Mas tenho o que é conhecido como exacerbação: períodos em que eu contraio uma infecção, ela se transforma em bronquite aguda e eu levo cerca de duas ou três semanas para conseguir subir no palco e tocar novamente. Por sorte, eu estou há 18 meses sem nenhuma exacerbação.”

Anderson afirmou que, embora seus “dias estejam contados”, ele está tomando medicamentos e se afasta relativamente bem de ambientes menos poluídos. Ele cita que uma causa provável para seu diagnóstico sejam as máquinas de fumaça no palco.

“Passei 50 anos da minha vida no palco, entre aquelas coisas miseráveis ​​que chamo de máquinas de fumaça”, disse ele a Rather. “Eu realmente acredito que essa é uma parte muito significativa do problema que tenho.”

+++ LEIA MAIS: Elon Musk reabre fábrica da Tesla e quebra regras de combate ao coronavírus

Recentemente, Anderson conversou com a Rolling Stone EUA sobre seu tempo em quarentena durante a pandemia do COVID-19. Ele está isolado em sua casa, no sudoeste da Inglaterra, onde está cercado por 40 mil árvores de madeira plantadas por ele.

"Este é o momento da reflexão", disse ele. “Acho que as pessoas devem investir em entender e aprender a lidar com a verdade. E a verdade não é bonita, mas, de certa forma, sou eternamente otimista. Acho que conseguiremos superar isso, mas espero que tenhamos aprendido algumas lições positivas ao longo do caminho e que, daqui a um ou dois anos, olhemos para trás e digamos: 'Ei, sabe, vamos continuar reduzindo a nossa consumo incansável de recursos’.”

 

 


+++ O TERNO | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL