Arquivo X ainda pode voltar, diz ator David Duchovny

O intérprete de Fox Mulder está disposto a retornar: “Só estará acabado quando um de nós morrer”

KORY GROW Publicado em 26/06/2014, às 10h33 - Atualizado às 12h47

Arquivo X
Divulgação

Com a série Californication chegando ao fim neste fim de semana, David Duchovny diz que está confortável de encerrar a jornada do personagem Hank Moody. O caso não se repete, contudo, com um dos personagens mais icônicos do ator: Fox Mulder, de Arquivo X. Durante uma entrevista à Rolling Stone EUA a respeito do fim da série do canal Showtime, ele disse que estaria disposto a participar da sequência do filme Arquivo X - Eu Quero Acreditar, lançado em 2008.

Galeria: 17 séries que duraram tempo demais.

“Eu sempre vou querer fazer”, disse ele. “Gostaríamos de já tê-lo feito. Espero que esse vá melhor financeiramente. Acho que foi OK, mas não o suficiente para que fosse feito mais um [filme] logo na sequência.”

Duchovny conta que ainda é amigo de Chris Carter, criador da série, e da outra protagonista, Gillian Anderson. Além disso, ele diz ainda amar Fox Mulder. “A partir do momento em que consegui variar, fazer outros filmes e Californication, eu não sinto mais [a pressão]: ‘As pessoas pensam que eu só faço aquilo’”, diz ele. “Não tenho mais essa ansiedade.”

A possibilidade de fazer um terceiro filme, o qual, segundo ele diz, ainda não tem roteiro (“eu sou amigo do Chris e ele teria dito algo”), depende de alguns fatores. “Basta o interesse da Fox e de espaço na agenda”, disse ele. “Chris tem essa nova série. Gillian está trabalhando. Eu estou trabalhando. Não é impossível, mas não é fácil. Eu nunca acho que está acabado. Eu diria que não está acabado até que um de nós morra – até que um de nós três se vá.”

Para o futuro imediato, Duchovny está se preparando para o papel de Sam Hodiak no drama criminal Aquarius, que irá ao ar na NBC no próximo ano. A série se passa em Los Angeles, no fim da década de 1960, e segue a história de Hodiak, enquanto ele tenta resolver um assassinato e se vê no caminho de Charles Manson. “Meu personagem está tentando encontrar uma garota desaparecida, a filha de um amigo dele”, diz o ator. “Eu interpreto esse homem dos anos 1950 que está sendo apresentado ao novo mundo que foram os anos 1960 e Manson, e o mundo está mudando ao meu redor e não consigo mudar com ele.”

David Duchovny fala sobre Arquivo X com exclusividade para a RS Brasil. Leia aqui.

“É um período de tempo muito interessante para o país”, continua ele. “Ainda assim, até hoje, há muita mística em torno daquela época e o que deu errado e o que continua errado até hoje. Você tinha Manson e o lado negro em uma ponta e o Flower Power cheio de paz e amor na outra ponta. Há muito no que se trabalhar aí.”

Duchovny diz que uma das principais coisas que o conduziu a esse personagem foi o quão diferente ele é de Hank Moody, de Californication. “Acho que Moody foi o mais distante de Mulder que eu consegui”, disse ele. “Enquanto Mulder pode ser virgem – não temos certeza –, Hank Moody certamente não é. E tem esse policial, que não é um Robocop, não é completamente confiável. Ele tem os próprios demônios, mas é um mundo diferente, um estilo diferente de atuar. Será bastante diferente. Eu gosto de desafio.”