Breakout Brasil, do canal Sony Spin, mistura internet e TV para encontrar novos talentos nacionais da música

Os jurados Dudu Marote, Marcello Lobato, Anna Butler e o apresentador Edu K explicam como funciona o programa multiplataforma

Stella Rodrigues Publicado em 02/01/2013, às 12h46 - Atualizado às 12h49

Breakout Brasil
Reprodução

A primeira produção nacional do Canal Sony Spin aposta em um formato que se prova cada vez mais eficiente, tanto no Brasil quanto no exterior: o de programa não-roteirizado de competição entre talentos. American Idol, The X-Factor e The Voice, algumas das principais franquias que carregam o formato televisivo (com algumas variações) ao redor do mundo, a indústria musical de vários países já recebeu diversos talentos que venceram o estigma de ex-participante de reality show e realmente conseguiram se estabelecer artisticamente.

O Breakout Brasil oferecerá ao vencedor um contrato de gerência musical e gravação de um disco com a Sony Music. Antes disso, com um formato multiplataforma, o programa dá novo sentido à ideia de que a internet é a melhor vitrine para músicos que querem espalhar seu trabalho, engajando os fãs de cada banda/artista desde o início da competição. Desde o ultimo dia 15, está aberta a votação no site oficial do programa, em que bandas disputam a atenção e os cliques do público para garantir sua ida para a segunda fase, que acontece no canal Sony Spin. A votação acaba nesta quarta, 2. Na porção online da disputa fica em destaque também a parceria com o Google, que permite a realização de hangouts dos artistas (conversas ao vivo via vídeo), com o complemento de que o Google + exibirá conteúdo exclusivo nessa fase virtual de aquecimento que antecede a chegada do programa na TV. Enquanto isso, o YouTube coloca à disposição material de making of e os concorrentes usam as redes sociais para pedir votos ao público, que pré-selecionará 20 candidatos.

Mas como toda premiação já aprendeu, é impraticável depender apenas dos fãs – há sempre o risco de vencer a banda com o público mais desocupado, em vez do melhor. É aí que entra um time de jurados especialistas, selecionados a dedo para dar credibilidade e estofo artístico para o jogo. Os outros 20 candidatos serão escolhidos por Anna Butler, ex-diretora da MTV e produtora renomada, Marcello Lobato, empresário de artistas como Marcelo D2 e Pitty, e Dudu Marote, produtor que já trabalhou com bandas nacionais como Skank e Jota Quest. Dos escolhidos, apenas cinco candidatos - três apontados pelos jurados e dois pelo público – passarão pelo crivo final da comissão julgadora e irão para a etapa final televisiva do reality.

O programa ainda terá como apresentador Edu K, vocalista da banda Defalla e produtor musical de artistas como Detonautas, Mundo Livre, Pavilhão 9, Otto e Chico Science. Estará entre as funções de Edu ajudar e orientar os artistas selecionados. Assista abaixo um video de apresentação em que o host dá detalhes das regras e os prazos para cada etapa do programa.

Uma dessas regras é que não vale cover. Os jurados estão atrás de originalidade. Para Marcello Lobato, estará na frente quem “fizer alguma música relevante, que não venha vender mais do mesmo e achando que está trazendo novidade”, diz. “Se o cara realmente estiver fazendo um trabalho bom, verdadeiro e sincero, será bem avaliado.” Ele destaca a tendência dos desconhecidos em busca de fama de investir no repeteco. “Na época que bombou o Planet Hemp, recebi um monte de fita de banda parecida. Foi assim com Nação Zumbi, Pitty e sempre acontece quando estou trabalhando um artista.”

“Em tudo que me envolvo quero que dê muito certo. Realmente quero que esse artista que ganhe o programa aconteça no mercado, toque na rádio, televisão etc.”, complementa Lobato. Sobre o assunto, Anna Butler define: “Eu espero encontrar alguma da coisa de que a gente tenha orgulho depois”. Anna, uma novata ao mundo dos realities, está estudando os programas concorrentes, mas deverá ser uma jurada muito autêntica, fugindo daquela dicotomia que grande partes das franquias de caça-talentos estabeleceram, usando sempre uma dupla de jurados com um bonzinho e um mais rígido. “Eu falo muito as coisas do jeito que elas são e acho que isso que esperam de mim.”

Dudu Marote, com sua função de conselheiro, tentará levar para a TV as características que já fazem parte da sua profissão. “O produtor caminha ao lado do artista. Na gravação do disco, ele o aconselha, avalia a gravação, mixagem. É aquela coisa de vir uma opinião de fora, que enxerga de fora da caixa. No caso do Breakout, eles vão se deparar com situações em que vão ter que mostrar seu talento. Vou usar minha experiência e o que eu sei como produtor para prepará-los para qualquer desafio que colocarem para eles no programa.”

E os desafios não serão poucos, conforme conta Edu K. “Teremos muitas provas diferentes do que se costuma ver nesses programas. Tem uma, por exemplo, em que colocamos uma banda, sei lá, de metal para se virar e fazer um cover de axé. E a pessoa vai ter que se encontrar ali.”

Para Lobato, esses desafios e provas vão ajudar a definir o que há de melhor para entrar no mercado musical. “O programa está colocando alguns filtros dos quais o mercado estava sentindo falta. No passado, você tinha que passar pelo filtro do produtor, da gravadora, para gravar o disco e aí divulgar. Depois, para tocar na rádio eram mais critérios. A internet democratizou tanto que não tem mais filtro, foi todo mundo bombardeado demais por qualquer um que quisesse se divulgar. O Breakout vai colocar filtros para que realmente chegue ao mercado uma coisa boa”, define.

E a interação das duas mídias é uma tentativa de juntar o que de melhor cada uma tem a oferecer. “É uma maneira de eles se ligarem também como se divulga direito o seu trabalho, não é só abrir uma página e jogar lá, tem que fazer esse contato com as pessoas, procurar quem pode gostar do estilo, aí o amigo do amigo vai agregando também. Tudo isso é muito importante hoje em dia”, explica Edu. Marote finaliza. “Daqui para frente, cada vez mais, a televisão estará com as redes sociais, é o caminho natural das coisas. Eu acho que a gente ainda está na pré-história da internet."