Ícones do metal progressivo, Queensrÿche e Fates Warning se apresentaram em São Paulo

Shows das duas bandas norte-americanas aconteceram no HSBC no último sábado, 14

Cassiano Pereira Publicado em 15/04/2012, às 14h53 - Atualizado às 16h00

A formação atual do Queensrÿche conta com Geoff Tate (foto), Michael Wilton, Eddie Jackson, Scott Rockenfield e Parker Lundgren.

Ver Galeria
(13 imagens)

No último sábado, 14, São Paulo presenciou uma festa do metal progressivo. Afinal, se apresentaram duas das principais bandas norte-americanas que ajudaram a criar e/ou popularizar o gênero, mesmo que com diferenças essenciais em seus estilos: Queensrÿche, que gozou de algum sucesso comercial nos anos 90, e Fates Warning, supercultuado pelos fãs do gênero e desconhecido pelo grande público, ambas comemorando 30 anos de existência.

Fates Warning

O Fates Warning, embora tenha chegado como “convidada especial”, foi, com certeza, o grande destaque da noite. Tocando pela primeira vez no Brasil, a banda do líder e guitarrista Jim Matheos tinha a presença especial de outra celebridade do rock progressivo na bateria, o hiperativo e ex-Dream Theater Mike Portnoy.

Com a introdução instrumental dramática “Disconnected Part 1”, com “One” na sequência, a banda começou seu set com um estilo que simboliza bem a fase mais recente e original de sua carreira (evidenciada em “A Pleasant Shade of Grey”). Riffs tocados em uníssono, compassos estranhos, poucos solos de guitarra e o vocal melódico, distinguível e em registro médio de Ray Alder. Na sequência, foi tocada “Life In Still Water”, uma das muitas músicas tocadas que saíram do disco Parallels, de uma época em que a banda passava por um momento de transição e se distanciava de seu passado mais voltado para o metal tradicional. Sempre que executavam músicas desse disco eram ovacionados pelo público, diga-se de passagem.

Portanto, quem estava lá disposto a ver um rock progressivo pesado, como na climática e depois supergroovy “Heal Me”, se deliciou ao longo do restante do set: o som na casa estava em alta qualidade, o setlist foi direcionado para essa faceta mais progressiva da banda e ela se encontrava muito bem sintonizada e unida (mesmo quando o baterista convidado errou o final complicado de “A Pleasant Shade Of Grey Part XI” e todos foram consolá-lo).

Queensrÿche

Devido a esta turnê de 30 anos, o Queensrÿche tocou no último sábado, 14, em sua quarta passagem pelo Brasil, músicas de todas as fases de sua carreira, que mostrou-se ter sido voltada a um caráter de hard rock oitentista e heavy metal com pitadas de rock progressivo. Ironicamente, eles começaram o set com a música intitulada “Get Started”, de seu último álbum, antes de começar seu apanhado geral de músicas, todas muito bem recebidas pelo público, que majoritariamente estava lá para assisti-los

Era notável a segurança demonstrada pelo vocalista e líder Geoff Tate em sua postura no palco. Com longa experiência provinda de anos de estrada e até de tocar em estádios nos tempos áureos, apresentar-se em uma casa de espetáculos média não deve ter sido uma tarefa difícil. À medida que o show foi chegando ao final, o público cada vez mais participou e cantou junto, notavelmente quando vieram canções dos primeiros discos da banda, como “Lady Wore Black” e “Walk In The Shadows”.

Na fase final, para conquistar mesmo o público, nada teria sido melhor mesmo do que executar o grande e belo hit pop “Silent Lucidity”, de 1990 (mas que fez sucesso em 1991), em uma época em que não se acendem mais isqueiros para acompanhar as músicas lentas em shows.

Após terem o refrão de “Take Hold of The Flame” cantado em uníssono, eles terminaram o set normal e retornaram ao bis com músicas de Empire e Operation: Mindcrime, justamente do período em que mais tiveram sucesso comercial.

Setlist do Fates Warning:

"Disconnected, Part 1"

"One"

"Life in Still Water"

"A Pleasant Shade of Gray, Part III"

"Down to the Wire"

"Heal Me"

"Pieces of Me"

"Another Perfect Day"

"The Ivory Gate of Dreams: IV. Quietus"

"A Pleasant Shade of Gray, Part XI"

"The Eleventh Hour"

"Point of View"

"Through Different Eyes"

Bis:

"Eye to Eye"

"Monument"

Setlist do Queensrÿche:

"Get Started"

"Damaged"

"I Don't Believe in Love"

"Hit the Black"

"I'm American"

"My Empty Room"/"At 30,000 ft."

"Desert Dance"

"Real World"

"NM 156"

"Screaming in Digital"

"The Lady Wore Black"

"Walk in the Shadows"

"The Right Side of My Mind"

"Silent Lucidity"

"Take Hold of the Flame"

Bis:

"Jet City Woman"

"Empire"

"Eyes of a Stranger"/"Anarchy-X"