House of Cards tem terceira temporada confirmada

Série da Netflix terá segunda temporada a partir do dia 14 de fevereiro

Redação Publicado em 05/02/2014, às 16h39 - Atualizado às 16h42

Galeria - séries de 2013 - House of Cards
Divulgação

Ainda falta uma semana para que a segunda temporada de House of Cards estreie, no dia 14 de fevereiro, mas a Netflix já renovou o drama político para uma terceira temporada, segundo o site da revista The Hollywood Reporter. Um representante do serviço de streaming não apenas confirmou a notícia, como acrescentou que a produção dos próximos episódios começará em breve.

Séries de TV que mal podemos esperar para assistir em 2014.

Indicada a nova Emmys e vencedor de três (incluindo Melhor Direção de Série de Drama para David Fincher, que comandou o piloto), House of Cards provou ser um sucesso entre os programas originais da Netflix. A série inicialmente teria apenas duas temporadas, mas em outubro o chefe de conteúdo da empresa, Ted Sarandos, revelou as negociações para a terceira temporada.

A renovação da atração segue uma nova tendência na televisão norte-americana de confirmação de temporadas antes mesmo do início dos episódios mais recentes. A HBO, por exemplo, anunciou que Girls terá uma quarta temporada antes sequer da exibição da terceira temporada.

O futuro dos filmes: a Netflix se tornará o próximo grande estúdio de Hollywood?

Você pode conferir um trailer da nova temporada de House of Cards, que mostra o personagem de Kevin Spacey, Frank Underwood, deixando seu posto como Corregedor da Maioria da Câmara para assumir a vice-presidência. Claro, alguns de seus atos nefastos, incluindo o chocante assassinato de um colega congressista, podem voltar a assombrá-lo.

Em recente entrevista à Rolling Stone EUA, o criador da série, Beau Willimon, revelou alguns detalhes sobre o que esperar dos novos episódios, incluindo um projeto de reforma legal pelo qual Underwood será responsável e um subenredo sobre ciberterrorismo. “Quando você pensa o que líderes fazem – eles mandam pessoas para a guerra, eles têm sangue nas mãos, eles têm que estar dispostos para fazer coisas que nós mesmos não faríamos”, disse. “Por isso confiamos o poder a eles. Eles precisam estar dispostos a colocar pessoas em seus túmulos.”