Mad Dogs registra a saga de brasileiros que revolucionaram o surfe de ondas gigantes

Série e documentário com os atletas Danilo Couto, Marcio Freire e Yuri Soledade serão exibidos no canal OFF a partir de 17 de outubro

Redação Publicado em 17/10/2015, às 10h01

Surfista Danilo Couto, retratado na série Mad Dogs

Ver Galeria
(3 imagens)

No fim dos anos 1990, Danilo Couto, Marcio Freire e Yuri Soledade deixaram Salvador rumo ao Havaí sem nenhuma garantia de sobrevivência no arquipélago do Pacífico, mas com um sonho bem determinado: surfar as ondas mais famosas do mundo. Naquela época, Laird Hamilton começava a ditar o comportamento dos locais com o tow in, prática na qual os surfistas têm a ajuda de jet skis para alcançar ondas de até 70 pés (cerca de 21 metros) de altura.

Surf e Praia Para Todos oferece aula, exposição e cinema de graça.

O trio brasileiro, contudo, queria fazer diferente. A partir de 2006, eles iniciaram uma corajosa saga de cinco anos que lhes rendeu o apelido de "Mad Dogs" (cachorros loucos). Eles entravam no mar sem coletes de flutuação, sem resgate, sem segurança e sem um plano de salvamento caso algo desse errado.

Turismo cinematográfico: quando a arte de viajar se mistura com os filmes das telonas.

Em 2011, Danilo remou uma onda de 55 pés (cerca de 18 metros), na época a maior onda remada na história do surfe, e venceu o XXL Big Wave Awards, com o prêmio de Ride of The Year. O feito gigantesco e a revolução promovida por esses brasileiros no esporte serão retratados a partir deste sábado, 17, no canal OFF, com a exibição da série e do documentário Mad Dogs.

Veja 10 grandes atletas que se aventuraram no mundo da música.

O filme de 75 minutos irá ao ar às 23h do dia 17 e, a partir do dia 23, serão exibidos dez episódios de 30 minutos cada, às sextas-feiras, 22h. Gravado no Havaí, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina, o programa traz a história de vida e carreira dos três surfistas brasileiros. A narração é do ator baiano Vladimir Brichta, amigo e conterrâneo dos protagonistas. A direção é de Roberto Studart, com produção da Primitivo.