Roteiro desconexo de Não Pare na Pista, cinebiografia de Paulo Coelho, dificulta imersão do espectador

Filme sobre o autor mostra todos os aspectos da vida dele, exceto o literário

Luciana Rabassallo Publicado em 14/08/2014, às 13h21 - Atualizado em 18/08/2014, às 11h40

Cena do filme Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho
Divulgação

É inegável que o escritor Paulo Coelho tenha muitas histórias para contar. A vida dele, que já rendeu a biografia O Mago, escrita por Fernando Moraes, agora também está nos cinemas no formato longa-metragem. Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho, que marca a estreia do diretor Daniel Augusto e chega às telonas nacionais nesta quinta, 14, retrata a fama internacional do autor.

As estreias cinematográficas mais aguardadas do segundo semestre de 2014.

Dividido em três partes, o filme traz a adolescência conturbada de Coelho, marcada por internações, terapia com eletrochoque e o desabrochar da veia artística; a vida adulta, que mostra aos espectadores o uso de drogas, inúmeros casos amorosos e a amizade com Raul Seixas; e o tempo presente, em que ele faz uma cirurgia cardíaca, é reconhecido em estações de trens fora do Brasil e tenta manter uma rebeldia juvenil, tomando atitudes inesperadas e constantemente mudando de planos.

“Foi um momento de profunda emoção”, diz Paulo Coelho sobre Springsteen ter tocado “Sociedade Alternativa”.

Roteirizado por Carolina Kotscho (2 Filhos de Francisco), o filme é uma verdadeira colcha de retalhos. Não linear, mistura cenas de Paulo Coelho jovem aos conflitos internos da velhice, sempre de forma abrupta – tipo de edição que interrompe a linha de raciocínio e faz o espectador perder-se entre as diversas tramas paralelas. Os escolhidos para protagonizar o longa são os irmãos Ravel Andrade, também estreante no cinema e responsável por dar vida ao jovem Coelho, e Júlio Andrade (Gonzaga - De Pai pra Filho), que vive o autor na vida adulta, inclusive na velhice, quando aparece usando uma máscara.

“É uma grande responsabilidade interpretar alguém como Paulo Coelho”, diz ator de Não Pare na Pista.

Na primeira parte da produção, Ravel é um grande destaque. Ele consegue transmitir bem as dificuldades de Paulo Coelho em relacionar-se com a família, principalmente com o pai, o rígido e controlador Pedro (Enrique Diaz), que abomina a ideia do filho tornar-se um escritor. Com um ambiente hostil dentro de casa, as divergências entre Paulo e o pai aumentam à medida que ele começa a fazer peças de teatro e envolver-se no mundo artístico. Não demora muito para que Pedro interne o filho em um hospital psiquiátrico e o jovem receba eletrochoques como uma forma de terapia para livrá-lo de uma suposta dependência em drogas.

A segunda fase do longa, já com Júlio no papel de Paulo Coelho, mostra a inserção do escritor na contracultura, como editor de uma revista sobre ufologia, e o primeiro contato com o cantor e compositor Raul Seixas, interpretado pelo ator Lucci Ferreira. O interesse em ocultismo e astrologia serve como ponto de partida para uma parceria que rendeu grandes clássicos do rock nacional, como "Sociedade Alternativa" e "Gita". O enredo, contudo, não revela os embates de Coelho e Seixas acerca da autoria das canções. Após viver intensamente as décadas de 1970 e 1980, o filme dá um salto e fica na vida do autor como um “ex-doidão”, que se tornou empresário do mercado fonográfico. Ele, então, decide fazer uma viagem para percorrer o caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, e encontra inspiração para escrever o best-seller O Diário de um Mago.

Raul Seixas: O Início, o Fim, e o Meio busca retratar a grandeza artística de Raul Seixas.

Apesar das boas atuações de Ravel e Júlio Andrade, os lapsos temporais do roteiro dificultam a imersão do espectador na trama. Há três cenas que se destacam: o jovem Paulo Coelho em consulta após uma tentativa de suicídio; o autor, já adulto, acompanhado por Raul Seixas, compondo “Al Capone” em um bar (veja abaixo); e Pedro, o pai de Coelho, ouvindo uma música do filho no rádio do carro enquanto dirige.

A polarizadora obra literária de Paulo Coelho não é, de forma alguma, o grande foco de Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho. O filme aponta bastante para o quanto o autor é reconhecido Brasil afora, mas não se aprofunda nos textos que compõem os premiados livros dele – fato que pode decepcionar os fãs mais aficionados. Veja abaixo o trailer do longa:

Veja abaixo uma entrevista exclusiva com Ravel e Júlio Andrade sobre os desafios de interpretar Paulo Coelho em Não Pare na Pista - A Melhor História de Paulo Coelho: