Integrante do Pussy Riot é transferida para nova prisão

Pai e marido de Nadezhda Tolokonnikova protestaram contra falta de informações sobre a detenta

Redação Publicado em 04/11/2013, às 11h49 - Atualizado às 11h53

Nadezhda Tolokonnikova (Pussy Riot)
AP

Nadezhda Tolokonnikova, uma das integrantes do Pussy Riot, foi transferida para uma nova prisão, segundo revelou o Serviço Penitenciário Federal da Rússia durante o fim de semana. O anúncio ocorreu depois que a família da encarcerada afirmou que ela desapareceu depois de ser removida da colônia penal onde estava sendo mantida.

Galeria - Música versus religião: 15 clipes que retratam (e polemizam) os dogmas da igreja.

A entidade russa soltou nota oficial no dia 18 de outubro para reportar um pedido de Nadezhda para se transferir da Colônia Penal 14, na região da Mordóvia, onde a mulher de 23 anos cumpre dois anos de pena por vandalismo depois que a banda fez o que chamou de “oração punk” dentro de uma catedral em Moscou. Nadezhda passou por greve de fome em protesto ao tratamento recebido e afirmou que oficiais a ameaçaram por se pronunciar.

Andrei Tolokonnikov, o pai de Nadezhda, afirmou na semana passada que ele e o marido dela não conseguem contato com ela desde o dia 21 de outubro, quando ela foi transferida. “Ninguém sabe de nada”, disse o pai. “Não há prova de que ela esteja viva, não sabemos o estado de saúde dela. Ela está doente? Ela foi agredida?”

Galeria: relembre bandas e atores que, ao defender causas, arrumaram problemas com autoridades.

O marido de Nadezhda, Petya Verzilov, disse ao site Buzzfeed que ela foi vista pela última vez no dia 24 de outubro por um passageiro de trem na cidade de Chelyabinsk, nos montes Urais. “Achamos que eles levaram ela para uma grande cidade para escondê-la”, disse. “Parece que eles cansaram desses protestos”, acrescentou. “Eles querem cortá-la do mundo exterior”.

Depois das acusações de sumiço, o Serviço Penitenciário explicou que ela foi levada para uma nova prisão, segundo noticiou o jornal The Guardian. As autoridades russas afirmam que a família seria informada sobre a localização em até dez dias depois da transferência, como manda as regulamentações do país.