Invasão ou monitoramento? Como empresas ‘espiam’ tudo o que funcionários fazem no dia pela tela do computador e GPS

O jornalista Adam Satariano do New York Times, com ajuda da editora dele, fez um experimento de como o monitoramento pode ser invasivo

Redação Publicado em 07/05/2020, às 16h26

None
Logo Hubstaff (Foto: Reprodução)

Com a quarentena e o alto número de empresas se adaptando ao home office (“trabalho de casa”, em tradução livre), o New York Times decidiu fazer uma reportagem a partir de uma experiência pessoal do repórter Adam Satariano sobre como o chefe pode monitorar excessivamente os empregados no isolamento social. 

+++LEIA MAIS: Fãs recriam capas de discos clássicos durante a quarentena - e o resultado é incrível

Neste período, as empresas procuram maneiras de garantir que todos façam o trabalho. A demanda por softwares capazes de monitorar os funcionários aumentou, com programas que rastreiam as palavras, tiram fotos com as câmeras do computador e dão aos gerentes a classificação de quem está gastando muito tempo no Facebook e não o suficiente no Excel.

Invasão ou monitoramento? A tecnologia levanta questões espinhosas sobre privacidade no qual os empregadores estabelecem a linha entre manter a produtividade de uma força de trabalho doméstica e uma vigilância assustadora. 

+++LEIA MAIS: Stephen King se desculpa por ‘ter previsto’ o coronavírus e Trump nos livros; entenda

"No mês passado, baixei o software de monitoramento de funcionários fabricado pela Hubstaff, uma empresa de Indianápolis. A cada poucos minutos, ele capturava uma tela dos sites que eu navegava, dos documentos que escrevia e dos sites de mídia social que visitei. Do meu celular, ele mapeou para onde eu ia, incluindo um passeio de bicicleta de duas horas que levei pelo Battersea Park com meus filhos no meio de um dia de trabalho", conta o repórter Adam Satariano.

Para concluir o experimento, o jornalista deu à editora dele, Pui-Wing Tam, as senhas do programa para que ela pudesse rastrear. Após três semanas de monitoramento digital, o futuro da vigilância do trabalho pareceu, aos dois, excessivamente invasivo. 

+++LEIA MAIS: As melhores reuniões de elenco da quarentena: de Goonies a Harry Potter

"Baixei o Hubstaff no meu laptop e celular com mais do que um toque de ceticismo. Tinha ouvido falar desse tipo de ferramenta sendo usada pelas empresas de Wall Street por anos, principalmente em nome da segurança, com funcionários raramente tendo alguma opinião sobre como estavam sendo vigiados", disse.

Dave Nevogt, fundador e executivo-chefe da Hubstaff, deu ao jornalista uma avaliação gratuita para testar o software de assinatura e disse que os pedidos de trabalho em casa no surto de coronavírusfizeram o monitoramento de funcionários um item importante. Os testes da empresa que custam de US $ 7 a US $ 20 por mês por usuário triplicaram desde março. 

+++LEIA MAIS: Depois de shows, raves ganham 'versão drive-in' durante quarentena contra coronavírus

Uma característica principal do Hubstaff é um monitor que fornece aos gerentes uma visão geral das atividades do funcionário. Dividido em incrementos de 10 minutos, o sistema calcula a porcentagem de tempo que o trabalhador digita ou move o mouse do computador. Essa porcentagem atua como uma pontuação de produtividade.

"Tentei abraçar o feedback. Todos os dias, um e-mail era enviado a mim e a Pui-Wing com uma visão geral do meu dia: horas trabalhadas, a pontuação de produtividade, os sites e aplicativos que eu estava usando", detalhou Adam. "Um dia, no mês passado, quando eu estava dando os retoques finais em um artigo, passei 3 horas e 35 minutos editando o documento e uma hora dentro de um arquivo contendo anotações de pesquisas e entrevistas em segundo plano. Outros 90 minutos foram gastos em e-mails", completou.

Ele continuou: "Esse foi um dos meus dias mais produtivos, mas o software ainda calculava meus desvios. Ele mostrou que eu estava no Twitter por 35 minutos e perdi 11 minutos navegando no Spotify. Slack, a ferramenta de colaboração, engoliu 22 minutos. Outros dias, a comida era uma distração comum, incluindo uma caçada de 10 minutos por pizza para viagem. Hubstaff também registrou minhas coordenadas de GPS."

+++ LEIA MAIS: Shows drive-in são realidade durante a quarentena contra coronavírus

A editora contou: "Cliquei nas capturas de tela e vi que Adam estava on-line por 9 horas e 42 minutos e 17 segundos no dia anterior. As dezenas de capturas de tela incluíam as de uma teleconferência do Google Meet da qual Adam havia participado, que mostrava fotos extremamente aproximadas dos rostos de vários colegas."

Chris Heuwetter, que administra uma empresa de marketing em Jupiter, na Flórida, chamada 98 Buck Social, começou a usar o Hubstaff em 31 de março. O empresário afirmou ao New York Times que os níveis de produtividade dos funcionários aumentaram "imediatamente".

"Mesmo sendo apenas um experimento, não o tornou menos embaraçoso e intrusivo. E vai além de ser pego se exercitando no meio do dia. E se outras capturas de tela expusessem informações financeiras ou de saúde que são confidenciais?", questionou Adam. "Confio na Pui-Wing, mas os sistemas de monitoramento têm poucas salvaguardas para evitar abusos e dependem de gerentes que exercem julgamento e restrição."

+++LEIA MAIS: Fãs recriam capas de discos clássicos durante a quarentena - e o resultado é incrível

Pui-Wing disse: "Ocasionalmente, eu olhava os e-mails diários que Hubstaff enviava sobre Adam. Eles mostraram sua pontuação de produtividade em 30%, às vezes chegando a 50%. Eu ri quando notei que ele começou a passar mais tempo em sites de notícias à medida que seu comportamento mudava."

"No final, me vi tentando enganar o sistema Hubstaff por completo. Enquanto escrevo isso às 11h38 do dia 24 de abril, estou prestes a tomar um café e passar um tempo com meus filhos. Mas pretendo deixar um documento do Google Doc aberto no meu computador para que o Hubstaff possa capturar imagens para parecer que eu estava trabalhando", finalizou Adam.


+++ MINHA PLAYLIST.... FRANCISCO, EL HOMBRE | ROLLING STONE BRASIL