Rolling Stone Brasil e Deezer transmitem ao vivo show do Foster The People em Paris

Apresentação será realizada no Gaité Lyrique, nesta sexta-feira, 28, a partir das 17h30 com transmissão ao vivo

Redação Publicado em 27/03/2014, às 13h53 - Atualizado em 28/03/2014, às 22h15

Foster the People
Divulgação

“Are You What You Want to Be?”. Questionando se somos quem gostaríamos de ser, o Foster The People retornou para um segundo disco após o estrondoso sucesso de Torches, álbum de 2011 impulsionado pelo hit “Pumped Up Kicks”. O trio retornou ao estúdio e apresenta Supermodel em show transmitido ao vivo, nesta sexta-feira, 28, a partir das 17h30h, pela Rolling Stone Brasil e a Deezer, serviço francês de música em streaming disponível no Brasil.

Entrevista: segundo álbum do Foster the People “não é o disco que as pessoas esperam”.

A apresentação será realizada no Gaité Lyrique, casa de shows e museu de arte digital em Paris, cuja proposta parece dialogar com a sonoridade eletrônica do indie dance produzido por Mark Foster e companhia.

Será também uma oportunidade de ver as canções de Supermodel enquanto ainda amadurecem ao vivo. Em show enxuto em Londres, no Troxy, na última segunda, 24, a banda tocou músicas como “Nevermind”, “A Beginner's Guide to Destroying the Moon”, “Pseudologia Fantastica”, “Best Friend” e “The Truth”, todas que vieram desta nova safra.

Supermodel soa cheio e intenso se comparado com Torches. “Queríamos fazer um álbum que aceitasse nossas imperfeições”, disse Mark Foster à Rolling Stone EUA. “É introspectivo”, continua ele. “Há um lado emocional que as pessoas ainda não ouviram.”

Para produzir o álbum, o grupo recrutou Paul Epworth, colaborador de Adele. As gravações começaram em 2013, no Marrocos, e seguiram por Londres e Malibu. “Eu queria gravar 25 músicas”, conta Foster. “E lançar nosso terceiro álbum daqui a oito meses. Ficamos sem tempo.”

Foster the People traz produtor de Adele em disco menos polido.

Sobre “Are You What You Want to Be?”, faixa com essência afrobeat, Mark quase se viu tentado a traduzir os versos para o português. “Foi difícil encontrar palavras que dançassem sobre aquele groove africano”, afirmou. “É legal, olhando para trás – mas na época, eu estava arrancando os cabelos.”

Assista ao show no player abaixo, a partir das 17h30 desta sexta-feira, ou através aplicativo da Deezer (aqui), no qual também é possível ouvir a discografia da banda, incluindo EPs e os dois álbuns.