TPB: AFK detalha julgamento dos criadores do site The Pirate Bay

Longa alterna momentos do julgamento com entrevistas realizadas com seus realizadores

Paulo Gadioli Publicado em 27/10/2013, às 08h43

The Pirate Bay
Divulgação

Cada dia mais populares, os sites de compartilhamentos de arquivos são a pedra no sapato de Hollywood e das demais indústrias de entretenimento. Em 2008, organizações se juntaram para atacar o maior deles. TPB AFK: O Caso Pirate Bay é o retrato dos quatro anos de duração do processo. Acompanhamos pela câmera de Simon Klose os três acusados (Peter Sunde, Fredrik Neij e Gottfrid Svartholm) lutando na justiça, revelando um terreno de incertezas no que diz respeito ao copyright digital.

Embora trate de assuntos por vezes muito específicos, o documentário é abrangente e evita fechar-se em algo hermético, repleto de termos que apenas juristas e profissionais de computação poderiam entender. Quando termos mais complicados aparecem, uma legenda prontamente explica do que se trata, sem atrapalhar o andamento do filme.

Esse recurso, inclusive, é interessante para começar a analisar a relação entre os réus e seus acusadores. Em determinado momento, os três brincam sobre o advogado que não sabia a diferença entre bits e bytes. Detalhes pequenos como este revelam não apenas o descompasso entre as duas realidades, mas também o tom desafiador e contestador que emana dos jovens mantenedores do site.

São exibidos diversos depoimentos e, neles, este tom fica claro, especialmente em Gottfrid. Ao perceber que tanto juiz quanto a procuração não entendem do assunto que estão discutindo, o gênio da computação faz questão de mostrar seu descontentamento em diversas falas irônicas, causando também alguns dos momentos mais engraçados do filme.

Os constantes julgamentos e apelações são mostrados e, entre um e outro, acompanhamos a evolução de pensamento de cada um dos personagens. Embora todos estejam ligados ao Pirate Bay, a linha ideológica do trio é muito variada, indo do socialismo ao flerte com a extrema direita. Klose percebeu essa diferença e a explicitou, colocando, por exemplo, Peter Sunde dando entrevista em meio a uma passeata anti-racismo enquanto Fredrik, bêbado em um bar, começa a se abrir sobre seu desdém por imigrantes.

O mundo está em constantes transformações, ainda mais no que diz respeito ao digital. A superimposição das velhas leis e pensamentos a este terreno é instável é extremamente perigoso, como mostra o interessante e necessário documentário TPB AFK: O Caso Pirate Bay.