Ja Rule leva processo de $100 milhões por fracasso de festival nas Bahamas

O músico e o empresário Billy McFarland cancelaram o Fyre Festival, evento de luxo que teria início na última quinta, 29, após estreia problemática

Rolling Stone EUA Publicado em 01/05/2017, às 18h07 - Atualizado às 18h43

Ja Rule
AP

A primeira edição do Fyre Festival, festival de música de luxo nas Bahamas organizado por Ja Rule e pelo empresário Billy McFarland, foi adiada na última sexta-feira, 28, após uma estreia fracassada.

Um dos participantes entrou com um processo de US$100 milhões contra os cofundadores do evento, acusando a dupla de submeter os convidados a “condições perigosas” em um evento o qual já sabiam que iria dar errado.

Com ingressos entre US$5 mil e US$250 mil, a proposta era de uma experiência luxuosa, que incluía acomodações em resorts, junto a um line-up com artistas como Blink-182, Disclosure, Major Lazer e Lil Yatchy.

O festival teve seus ingressos esgotados depois de ser anunciado em janeiro, em um vídeo estrelado por modelos como Bella Hadid e Hailey Baldwin.

As primeiras pessoas a chegar na ilha de Exuma Cays, nas Bahamas, na última quinta, 27, encontraram um local com a estrutura inacabada, e que não se parecia nem um pouco com o que havia sido prometido.

William Finley, um dos participantes, disse em entrevista à Billboard, que as acomodações pareciam “barracas que são utilizadas durante catástrofes”.

Outro participante do festival reclamou da infraestrutura do evento ao compartilhar uma foto do jantar oferecido pelo Fyre Festival no Twitter, dizendo que “a refeição, que deveria ser preparada pelo Seven Starr, era literalmente, pão, queijo e salada”. Veja abaixo a publicação.

Com o caos instaurado nas mídias sociais, o Blink-182 realizou um anúncio no Twitter , no qual cancelava o show no festival. “Depois de muito analisar a situação, queremos dizer que não nos apresentaremos no Fyre Fest nas Bahamas nem neste nem no próximo final de semana. Não estamos seguros de que teríamos tudo o que precisamos para manter a qualidade dos shows que oferecemos aos nossos fãs.”

Na quinta-feira à tarde, os participantes que estavam a caminho do Fyre foram informados de que não poderiam seguir viagem até a ilha Exuma Cays. Em comunicado, os organizadores disseram que “em razão de excesso de capacidade, seria necessário cancelar todos os vôos existentes para assegurar a segurança dos convidados.”.

O Ministério do Turismo das Bahamas também publicou um pedido de desculpas sobre a situação, no Twitter.

Na sexta-feira, 29, os organizadores fizeram um post no Instagram que comunicava o adiamento do festival.

Ação Judicial

A queixa legal obtida pela Rolling Stone EUA afirma que “essa enorme falha em preparar, em conjunto com as falsidades deliberadas dos réus em promover a experiência da ilha, demonstra que o festival Fyre não era nada além de um golpe desde o começo."

Em entrevista ao veículo, McFarland admitiu que ele e Ja Rule foram “um pouco inocentes” na estreia como organizadores de festivais. “Ficamos sobrecarregados e não conseguimos encontrar uma saída para resolver todos os problemas”, disse. “Nós achamos que estávamos preparando tudo no tempo correto. Fomos um pouco inocentes de achar pela primeira vez que poderíamos fazer tudo sozinhos. No ano que vem, com certeza iremos iniciaremos os preparativos mais cedo.”

Na última semana, Ja Rule disse à RS EUA que “estava de coração partido”. “Eu e meus parceiros queríamos que esse fosse um evento incrível, e não um golpe como todos estão falando. Peço sinceras desculpas a todos que sofreram algum tipo de inconveniência por causa disso”.