Jair Bolsonaro é criticado por Petra Costa em artigo no NYT: ‘Fascismo tropical’

A cineasta responsável pelo documentário Democracia em Vertigem estabelece um paralelo entre a Alemanha nazista e o Brasil atual

Redação Publicado em 25/01/2020, às 14h00

None
Petra Costa (Foto: Reprodução / Instagram)

Na última sexta, 24, o jornal The New York Times publicou um texto opinativo assinado por Petra Costa, indicada ao Oscar 2020 na categoria de melhor documentário pelo filme Democracia em Vertigem.

+++ LEIA MAIS: Conheça Democracia em Vertigem, documentário indicado ao Oscar que você deveria assistir já

No artigo, Petra critica o presidente Jair Bolsonaro e a "guerra contra a verdade" instaurada assim que ele assumiu o poder, ressaltando o discurso viral de Roberto Alvim, secretário especial da Cultura, repleto de referências da alemanha nazistas.

"Em 2016, eu entrevistei Bolsonaro sobre seus planos para o setor cultural e ele reclamou que nenhum filme brasileiro era bom o suficiente para ser premiado com uma indicação ao Oscar. Na semana passada, no entanto, ele desprezou nossa indicação dizendo 'para quem gosta do que urubu come, é um bom filme'. Em seguida, ele admitiu não ter visto o filme, mas isso não impediu que a legião de trolls que o seguem nas redes sociais de papaguear a acusação de que o filme era fake news", escreveu. 

+++ LEIA MAIS: Democracia em Vertigem: Bolsonaro diz que documentário indicado ao Oscar é "porcaria" e "ficção"

"Na quinta-feira, era Roberto Alvim quem estava nas manchetes. Em um vídeo postado nas redes sociais para promover um prêmio nacional de arte, ele proclamou que 'a arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional', 'será dotada de uma grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que é profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo — o então não será nada'. O discurso repete frases do ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, proclamadas em maio de 1933. Um retrato de Bolsonaro aparecia atrás de Alvim, enquanto Lohengrin — uma ópera do compositor favorito de Adolf Hitler, Richard Wagner — podia ser ouvida ao fundo.” 

"Alvim foi deposto um dia depois, após um clamor público que incluiu a veemente condenação das embaixadas da Alemanha e de Israel. Mas creio que ele foi demitido não porque o governo condena suas opiniões e sim porque foi demasiado explícito sobre opiniões que ambos compartilham. Este é apenas um exemplo de como a democracia brasileira se aproxima do abismo”, ela continuou.

+++ LEIA MAIS: Dilma celebra indicação de Democracia em Vertigem ao Oscar 2020: 'A história segue implacável contra os golpistas

Ainda, ela comenta sobre a eleição de um deputado do “baixo clero, homofóbico e misógino” a partir da disseminação de fake news nas redes sociais: “Mais de 98% dos seus eleitores foram expostos a uma ou mais manchetes falsas durante a campanha e quase 90 por cento acreditavam que elas eram verdadeiras, segundo estudo da organização Avaaz. O seu governo dominou a arte de manipular a verdade", explicou Petra.

A cineasta também retoma o paralelo entre a Alemanha nazista e o Brasil atual, especialmente no que diz respeito aos ataques à imprensa e às artes. "É interessante que Lügenpresse, ou 'imprensa mentirosa', foi um slogan amplamente usado na Alemanha durante o terceiro Reich para descreditar qualquer jornalista que discordasse da posição do governo", citou. 

+++ LEIA MAIS: Justiça do RJ determina que Especial de Natal do Porta dos Fundos seja retirado do ar

"Esforços para descreditar a imprensa e as artes têm sido particularmente devastadores no Brasil. A sua influência vai muito além da política partidária. Desde 2019, as elites de extrema-direita e os grupos conservadores religiosos têm travado uma guerra cultural a níveis que não se viam desde os anos mais duros da ditadura militar", acrescentou.

"O líder do governo caracterizou o Carnaval brasileiro, uma grande fonte de orgulho em nossa cultura, como uma festa degenerada. Alguns de nossos maiores artistas foram atacados, livros escolares estão sendo reescritos e recursos foram cortados para séries e projetos cinematográficos sobre temas LGBTQ. Mais de 30 obras de arte foram censuradas, autocensuradas ou canceladas. Essa guerra cultural atingiu novos patamares em dezembro quando a produtora Porta dos Fundos foi atacada com coquetéis Molotov por conta de seu episódio satírico A Primeira Tentação de Cristo, que retrata Jesus como homossexual."

+++ LEIA MAIS: Caetano Veloso riu do Especial de Natal do Porta dos Fundos e condena censura: ‘Não estamos no Irã’

Em um balanço final, Petra Costa afirma que "não há luz visível no fim do túnel desta guerra cultural que procura censurar os valores liberais e progressistas e desconstruir a verdade para impor um fascismo tropical."

"Como aponto em Democracia em Vertigem, a elite se cansou do jogo da democracia. A história do nazismo mostra que as elites que se calaram diante do avanço do autoritarismo acabaram sendo engolidas por ele. A extinção é o preço da omissão", concluiu.

 


+++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL