Pulse

Jair Bolsonaro é um “paizão” para ex-Raimundos Rodolfo Abrantes

Músico teceu elogios ao presidente brasileiro - tanto pessoalmente quanto a seu modo de governo

Redação Publicado em 23/07/2019, às 19h11

None
Jair Bolsonaro e Rodolfo Abrantes (Foto 1: Gustavo Lima / Câmara dos Deputados / Wikimedia e Foto 2: Divulgação)

Rodolfo Abrantes, ex-Raimundos, foi o convidado desta semana no Abundante Vida, canal de YouTube da Igreja Abundante Vida London. Em um vídeo intitulado “A Verdade Sobre o Presidente Bolsonaro”, o músico elogiou Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, e seu governo. 

"Você pega uma casa abandonada na mão de bandidos e deixa assim por longos e longos anos? Tem muita coisa pra você consertar. Então, você assume a direção dessa casa e não é de uma hora pra outra que ela vai ficar linda. Tem muito trabalho. Eu não me admiro nada se esse novo governo levar os quatro anos que tem só pra começar a desfazer a bagunça que foi feita", opinou. 

+++ LEIA MAIS: Roger Waters lança trailer da turnê em que chamou Bolsonaro de neo-fascista 

Mas, mesmo assim, vai na contramão das tendências e nega que a culpa seja toda do PT, partido de Lula e Dilma Rousseff, ex-presidentes. "É muito fácil jogar toda a culpa no PT e dizer que a sua administração arruinou o Brasil. O Brasil vem sendo arruinado desde a sua descoberta.”

Sobrou tempo, ainda, para tecer alguns elogios pessoais a Bolsonaro. "Não o conheço pessoalmente, mas sei de muitas pessoas que conhecem e dizem que ele é um cara extremamente simples, acessível e que você não tem surpresa com ele. Então é assim, aquela figura do paizão. Aquele cara que é meio xucro, grosso, mas é aquilo ali. Então, tenho bons olhos.”

+++ LEIA MAIS: Democracia em Vertigem é eleito um dos melhores filmes do ano pelo New York Times 

A opinião de Abrantes difere da maioria dos artistas atuais. Nos últimos meses, Bolsonaroarrancou algumas palavras rudes de músicos nacionais e internacionais: Tom Morello do Prophets of Rage, por exemplo, chamou-o de “fascista populista”; Douglas Hart, fundador do Jesus and Mary Chain, usou o prefácio da biografia da banda para demonstrar o desagrado (“o novo presidente do seu país é tão idiota que eu espero que a leitura deste livro possa alegrar as pessoas por alguns dias”); e Oliver Sykes, do Bring Me The Horizon, usou o português arranhado de esposo de brasileira para xingá-lo em sua passagem pelo Lollapalooza. 

Veja a entrevista com Rodolfo Abrantes:

+++ SESSION ROLLING STONE: Francisco, El Hombre abre um diálogo sobre depressão com "Parafuso Solto :: Peso Morto"