James Murphy, do LCD Soundsystem, está processando ex-parceiro no selo DFA Records

O músico pede que o britânico Tim Goldsworthy pague uma indenização de US$ 100 mil

Rolling Stone EUA Publicado em 04/03/2013, às 16h51 - Atualizado às 19h32

James Murphy
AP

O LCD Soundsystem pode não existir mais, mas James Murphy não perdeu o jeito. O chefe da DFA Records está processando o produtor britânico Tim Goldsworthy, cofundador do selo com Murphy, em aproximadamente US$ 100 mil.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

O processo, que entrou na Suprema Corte Civil de Manhattan na sexta, 1º, traz a alegação de Murphy de que Goldsworthy deve empréstimos, não cumpriu os serviços pelos quais foi pago, usou indevidamente o cartão de crédito da gravadora e fez retiradas não autorizadas na conta bancária da companhia.

De acordo com o site DNAinfo.com, no processo ainda consta que Murphy tentou "resolver amigavelmente o problema", mas isso foi "recusado" por Goldsworthy. Ele também é acusado de "quebra de contrato", "enriquecimento sem causa" e de dever um total de US$93.899. A DFA quer a indenização punitiva e que o produtor pague os honorários dos advogados.

Goldsworthy é apresentado na ação como membro executivo da DFA. Murphy iniciou a DFA Productions e a DFA Records com ele em 2001, mas Goldsworthy deixou o selo em 2010, quando voltou para o Reino Unido. Jonathan Galkin, gerente do selo, disse à Resident Advisor que, na época, Goldsworthy arrumou seus pertences rapidamente, sem avisar para ninguém, e não mantém contato com o selo.