James Taylor diz que encontrou assassino de John Lennon um dia antes de sua morte

"Ele estava brilhando de suor e falando que iria mostrar algo a Lennon", disse o músico

Redação Publicado em 09/12/2020, às 15h06 - Atualizado às 15h18

None

Em recente entrevista ao The Telegraph, James Taylor revelou que encontrou com o assassino de John Lennon, Mark David Chapman, um dia antes dele assassinar o ex-beatle com cinco tiros nas costas em 8 de dezembro de 1980, em Nova York.

Segundo o cantor de 72 anos, o encontro aconteceu por acaso a uma distância de 25 minutos de caminhada do Edifico Dakota, local onde Lennon e a esposa, Yoko Ono, moravam. "Ele estava brilhando de suor. Seus olhos estavam mirando em todos os lugares, dilatados como um louco. Eu sabia que precisava ficar longe dele", relatou. 

+++LEIA MAIS: John Lennon: 5 filmes essenciais para entender o ex-beatle

Taylor ainda disse que Chapman "parecia drogado ou em algum tipo de crise maníaca" e  chegou a citar Lennon na rápida conversa, falando que "iria mostrar algo a ele". 

"Ele estava falando a mil por hora sobre algo que iria mostrar a John Lennon", relembrou o cantor. "Ele era apenas alguém que me conhecia e que eu não conhecia. Alguém que tinha uma agenda com a qual eu sabia que não poderia lidar. Eu simplesmente sabia que precisava ficar longe", afirmou. 

+++LEIA MAIS: 40 anos sem John Lennon: MIS relembra vida e obra do beatle em bate papo online e gratuito

Chapman foi condenado pelo brutal assassinato de Lennon e está cumprindo pena na prisão até hoje. Atualmente com 65 anos, ele já entrou com 11 pedidos de liberdade condicional, mas todos foram negados.  


+++ TICO SANTA CRUZ: 'A GENTE QUERIA PROVOCAR OS CONSERVADORES' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL