Jay-Z prega "morte do Auto-Tune" em nova música

"D.O.A.", recém-liberada na rede, critica aparelho que corrige vozes e instrumentos, usado por Kanye West, coprodutor do novo álbum do rapper

Da redação Publicado em 09/06/2009, às 12h12

Saiu na rede "D.O.A. (Death of Auto-Tune)", primeiro single do 10° álbum de estúdio de Jay-Z. The Blueprint 3 é o terceiro da série Blueprint, que teve o primeiro disco lançado no dia dos ataques ao World Trade Center, em Nova York. Oito anos depois, o rapper escolheu o mesmo 11 de setembro para liberar o novo trabalho.

"D.O.A." contém samples de "In the Space", do álbum de 1970 Psyc Impressions, de Janko Nilovic e Dave Sucky. Com a música, Jay-Z se auto-intitula "o único rapper a reescrever a história sem uma caneta". A faixa propõe, como seu título ("death of Auto-Tune") dá a entender, a eliminação do Auto-Tune - processador de voz que conserta imperfeições no vocal e nos instrumentos (efeito, aliás, bastante usado por Kanye West, coprodutor do álbum).

Na estação de rádio nova-iorquina Hot 97, que tocou a música pela primeira vez, o músico deixou claro que não pensou nas paradas de sucesso ao compor o sucessor de American Gangster (2007). "Não é um álbum n°1." Longe de o artista ser um patinho feio das vendagens - ele já teve vários singles no topo, como "Roc Boys", de 2007, e duetos com Mariah Carey ("Heartbreaker", 1999) e Rihanna ("Umbrella", 2007). Mas o novo disco, segundo ele, será anti-melódico. "Meu rap não tem melodia. Praticamente um assalto com uma arma letal", dramatizou, reforçando que "D.O.A." é anti-ringtone e iTunes.

Tire suas próprias conclusões no vídeo abaixo: