Jay Z produzirá série documental sobre o caso do jovem assassinado Trayvon Martin

O projeto será baseado em dois livros, entre eles Rest in Power: The Enduring Life of Trayvon Martin, escrito pelos pais do rapaz, morto em 2012

Rolling Stone EUA Publicado em 24/03/2017, às 14h12 - Atualizado às 14h54

Jay Z
AP

Jay Z e a produtora independente Weinstein Company estão se unindo para lançar uma série documental e um documentário sobre a controversa execução do jovem de 17 anos Trayvon Martin, em 2012.

Segundo o site da revista Variety, o rapper norte-americano adquiriu os direitos dos livros Suspiction Nation: The Inside Story of the Trayvon Martin Injustice and Why We Continue to Repeat It, de Lisa Bloom, e Rest in Power: The Enduring Life of Trayvon Martin, que foi escrito pelos pais do adolescente, Sybrina Fulton e Tracy Martin. Ambas as obras serão usadas como base para os projetos.

Suspicion Nation é narrado a partir da cobertura da emissora NBC do julgamento de George Zimmerman, autor do disparo que tirou a vida de Martin, que estava desarmado. Zimmerman, que na época do assassinato trabalhava como vigia da comunidade na Flórida em que o jovem vivia, foi absolvido após alegar ter agido em legítima defesa. Já Rest in Power remonta a infância de Martin, bem como os eventos sucedidos após o assassinato.

Além de série documental de seis capítulos, que será produzida por Jay Z, o estúdio planeja ainda lançar um filme documentário sobre o caso.

Desde o ocorrido, o rapper tem protestado contra a desigualdade racial dentro dos Estados Unidos nos anos recentes. Em 2013, ele e Beyoncé participaram de uma passeata contra a absolvição de Zimmerman, na cidade de Nova York. No ano passado, ele criticou na faixa "Spiritual" a brutalidade policial contra pessoas negras. Além disso, o Tidal, serviço de streaming dele, doou US$ 1.5 milhões para causas relacionadas ao Black Lives Matter.

No início deste mês, Jay Z e Harvey Weinstein discutiram o documentário de seis partes Time: The Kalief Browder Story, do qual o rapper foi um dos produtores executivos. A produção audiovisual conta a história de Kalief Browder, que aos 16 anos foi acusado de roubar uma mochila durante um evento do canal de TV Spike. Na ocasião, ele foi preso aos 16 anos, passando mais de mil dias na prisão de Rikers Island sem ter um julgamento. Posteriormente, aos 22 anos, Browder tiraria a própria vida.