Pulse

Jay Z rebate críticas ao Tidal: “A loja do iTunes não foi construída em um dia”

Rapper afirma que serviço de streaming “está indo muito bem”

Redação Publicado em 27/04/2015, às 15h57 - Atualizado às 16h33

Jay Z
AP

Há cerca de um mês no mercado, o Tidal ainda não é um sucesso. No entanto, na avaliação do dono da empresa, o rapper Jay Z, o serviço de streaming “está indo bem”.

Jay Z e Jack White lançam edição comemorativa de Magna Carta Holy Grail.

Lançado no fim de março, em cerimônia que reuniu uma constelação de músicos e produtores, o Tidal ainda não caiu na graça dos usuários. Até o momento, não configura na lista nem dos 700 aplicativos mais baixados nos EUA. A tarefa não é fácil, pois a empresa de Jay Z tem como concorrentes Spotify e Pandora, dois dos aplicativos que mais geram lucro no mercado de serviços de música para smartphones.

Jay Z comenta questões raciais nos EUA: “Preconceito é ensinado em casa”.

Dando os primeiros passos no mercado, Jay Z defende que o tempo é o melhor remédio: “Já temos quase 770 mil assinaturas. A loja iTunes não foi construída em um dia. Demorou nove anos para o Spotify se tornar um sucesso”.

Saiba quem são as cinco pessoas mais poderosas no mundo do streaming musical.

Além das dificuldades em conquistar o público, Jay Z ainda discordou do discurso no qual Tidal é tratado como um meio de artistas ricos ficaram ainda mais ricos. Segundo o rapper, o valor de mercado da empresa é infinitamente menor quando comparado ao Spotify, cerca de US$ 60 milhões contra US$ 8 bilhões do concorrente. “Ricos ficando mais ricos?”, indaga o produtor.

Defendendo o serviço, Jay Z explicou que o Tidal paga uma taxa de royalties de 75% para todos os artistas, escritores e produtores – "não apenas para os membros fundadores que subiram ao palco". Entre os apoiadores da empresa estão nomes como Beyoncé, Madonna, Kanye West, Rihanna, Arcade Fire e Jack White.