Pulse

Jimmy Page está satisfeito com as reuniões do Led Zeppelin - e isso não é promissor

"Sim, fizemos um ótimo trabalho. Mas eu não acho que vai haver outro", conta Page

Redação Publicado em 22/04/2019, às 11h14

None
Jimmy Page (Foto:Evan Agostini/AP)

Quando Jimmy Page era um jovem estudante, ele desenvolveu uma relação inseparável com a sua guitarra, que muitas vezes os funcionários da escola tinham que confisca-lo.

"Eles me devolviam no final do dia. Mas isso acontecia constantemente", conta Page.

Essa dedicação funcionou para Page, que acabou levando o Led Zeppelin ao auge com um dos equipamentos mais poderosos da história do rock.

+++ Solta o riff! Rolling Stone Brasil vai premiar o melhor riff com prêmios exclusivos no Instagram 

Alguns dos instrumentos que ele utilizou para criar as músicas do Zeppelin estão na exposição Play It Loud: Instrumentos do Rock e Roll no Museu Metropolitano de Arte em Nova York.

Sete das guitarras de Page e algumas vestimentas foram cedidos para a exposição, ao lado dos equipamentos de algumas outras lendas como Chuck Berry, Jerry Lee Lewis, Bo Diddley e John Lennon.

Ao visitar a exposição, Page deu uma entrevista para a Associated Press para discutir o legado da banda, o motivo de suas músicas durarem tantos anos e as perspectivas para um show de reencontro.

AP: O quão frustrante são as questões sobre um encontro do Led Zeppelin? Você não estava completamente satisfeito com o Live Aid ou com o show que comemorava o 40º aniversário da Atlantic Records em 1988. E a respeito do show de 2007 em Londres?

Page: Estou muito satisfeito por termos feito isso, porque nós meio que ainda parecemos com o que somos agora e, sim, fizemos um ótimo trabalho. Mas eu não acho que vai haver outro.

AP: Qual é a sua lembrança mais antiga com a guitarra?

Page: Eu estava levando minha guitarra para a escola para que eu pudesse tocar no recreio porque fiquei tão envolvido com isso que nos tornamos inseparáveis. Eu tinha que fazer as minhas atividades escolares, e esse era o acordo com o meu pai: no meu tempo livre, eu poderia tocar guitarra. Então, eu dei mais um passo, eu levava a guitarra para a escola e tocava no recreio.

AP: Seu trabalho para o Led Zeppelin estava muito à frente da época...

Page: Eu gosto de pensar que sim, porque o primeiro álbum, eu meio que sabia como estávamos fazendo as músicas, e exatamente como eu ia colocar tudo em camadas e adicionar as texturas deles. Há uma variedade de humores em Led Zeppelin I. Então eu me desafiei e me pressionei o máximo que pude, sem mesmo pensar nas minhas limitações, só fui além.

AP: Você cedeu a eles a sua Sovereign Harmony. O quanto isso é significativo?

Page: Eu tenho essa guitarra desde o início dos anos 60. E ela tem estado comigo o tempo todo, desde quando usei como ferramenta de escrita. Essa guitarra em particular foi o veículo que estava presente quando o primeiro, o segundo, o terceiro e o quarto disco do Led Zeppelin foi escrito. É essa guitarra que desenvolve o papel de Stairway to Heaven.

AP: Por que o catálogo do Led Zeppelin durou tanto?

Page: Porque aborda muitos estilos, modos diferentes e é muito apaixonante. E também é muito gentil, muito difícil, mas é extremamente dinâmico. Se alguém quiser tocar a guitarra, a gaita, a bateria, o baixo, os teclados - bem, está tudo lá. A música é orgânica quando todos estão tocando juntos. Eu acho que é um grande legado ter produzido isso, para ser honesto.

Entrevista RS: Di Ferrero fala sobre música pop, vida pós-NX Zero e projeto engavetado com Emicida: