J.K. Rowling revela abuso e defende o direito de falar sobre questões trans em carta de desabafo: ‘Não quero violinos ao fundo’

Declarações da autora no último sábado, 6, geraram polêmica no Twitter

Redação Publicado em 11/06/2020, às 07h57

None
JK Rowling (Foto: Joel Ryan/AP)

Recentemente, J.K. Rowling, autora dos livros de Harry Potter, deu declarações polêmicas no Twitter e foi acusada de transfobia no Twitter. Em uma carta de desabafo publicada no site dela, a escritora revelou abuso e defende o direito de falar sobre questões trans (via Uol). Essa não foi a primeira vez que alguma postagem de Rowling foi criticada por membros do ativismo trans.

Na carta, que contabiliza cerca de 3600 palavras, J.K. Rowling falou sobre experiências dolorosas do passado e as motivações dela falar sobre o assunto. Além disso, ela explica detalhes da pesquisa feita por ela, das crenças dela em relação a questões transsexuais, vidas de jovens impactadas - de certa forma - pelo ativismo trans. preocupação que tem com os direitos das mulheres.

+++LEIA MAIS: Van Damme revela que entrou para ‘lista de indesejados’ e foi rejeitado por Hollywood: entenda o motivo

Em outro momento da carta, a autora também escreveu ter sobrevivido a agressão sexual e abuso doméstico. Ela também se perguntou se ela poderia querer se transformar em homem, caso tivesse nascido 30 anos mais tarde.

"Só mencionei meu passado porque, como todo outro ser humano neste planeta, tenho um passado complexo, que molda meus medos, meus interesses e minhas opiniões", escreveu. "Nunca esqueço essa complexidade interior quando estou criando um personagem fictício e certamente nunca esqueço disso quando se trata de pessoas trans".

+++LEIA MAIS: Vingadores: Ultimato ganha versão incrível de animação dos anos 1960; assista

J.K. Rowling aproveitou e fez um pedido: "Tudo que estou pedindo --tudo que quero-- é que uma empatia semelhante, uma compreensão semelhante seja estendida às muitas milhões de mulheres cujo único crime é querer que suas preocupações sejam ouvidas sem receber ameaças e ofensas".

Pela conclusão do raciocínio dela na carta, a autora diz que não a escreveu "com a esperança de que alguém tocará violino por mim, nem um pouquinho" e comentou que ela é uma pessoa "extraordinariamente afortunada".


+++ DELACRUZ | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO