Pulse

John Lennon achava que Paul McCartney era subestimado; entenda

"Paul é um dos baixistas mais inovadores de todos os tempos", afirma Lennon

Redação Publicado em 21/06/2019, às 10h10

None
John Lennon e Paul McCartney (Foto: AP)

Se você quer alguns exemplos deJohn Lennon criticando ou zombando Paul McCartney, a lista é imensa. Durante todo o tempo em que passaram juntos nos Beatles, John chamava as composições antigas que Paul havia escrito de "músicas de vovó" na frente de todos durante as gravações no estúdio. 

Após o rompimento dos Beatles, a opinião de John sobre Paul ficou mais crítica. Ele chegou a descrever  o disco solo de estreia de McCartney como "lixo" em uma entrevista para a Rolling Stone em 1971. "Acho que ele vai melhorar quando estiver assustado", acrescentou.

No entanto, por volta de 1980, em uma entrevista para a Playboy, John misturou sua fala, finalmente, com alguns elogios ao seu antigo colega de banda. Ele comentou sobre a admiração que sentia pelas obras "Hey Jude" e "Yesterday". 

Mas John não estava dizendo nenhuma novidade quando elogiou essas músicas como "clássicas", afinal, todo mundo achava isso. No entanto, ele fez um esforço para defender o baixo de Paul, que achava que merecia mais crédito. "Paul é um dos baixistas mais inovadores de todos os tempos, metade das coisas acontecendo agora é tirada diretamente do período dos Beatles." 

Mesmo elogiando o colega, John não poderia deixar de "alfineta-lo". "Ele foi modesto tocando o seu baixo baixo", conta. "Ele é um egocêntrico sobre tudo, mas ao tocar o seu baixo ele sempre foi um pouco tímido", acrescenta. 

John o comparou favoravelmente ao baixista dos Rolling Stones e a todos os outros da cena. “[Paul] é um ótimo músico que toca baixo como poucas pessoas podem tocar.” O trabalho de Paul em "Come Together", de John, é um destaque.

Ao gravar "The Ballad of John e Yoko", John precisou de Paul enquanto George Harrison e Ringo Starr estavam fora da cidade. Ele estava pronto para o desafio e contribuiu com a bateria, baixo, piano e backing vocals.

Claramente, Paul não precisou de ninguém para defender sua musicalidade. Ele também toca uma guitarra sólida, que você ouve em faixas como "Yesterday". Outro exemplo do baixo de Paul vem em "Come Together", que foi um grande sucesso para John no fim dos Beatles.

Em termos de sucesso nas paradas da Billboard, "Come Together" acabou sendo o maior sucesso de John com os Beatles na América.

Talvez em algum momento John tenha percebido que precisava agradecer Paul - pelo menos um pouquinho - por isso. De qualquer maneira, já é um grande elogio para alguém que não dava devida atenção a Paul.

 

A PLAYLIST: Rael está "envolvidão" por Bob Marley e Caetano Veloso