Johnny Marr conversou com Morrissey sobre reunião dos Smiths em 2008

“Estávamos falando sobre a possibilidade de reformar a banda e, naquele momento, pareceu que, com a intenção correta, isso poderia realmente ser feito e até mesmo ser grande”, escreveu o guitarrista na autobiografia dele

Rolling Stone EUA Publicado em 31/10/2016, às 13h40 - Atualizado às 14h16

Morrissey - galeria (Smiths)
Reprodução

Johnny Marr revelou que ele e Morrissey conversaram sobre “a hipótese muito real” de uma reunião dos Smiths em 2008. Na autobiografia Set the Boy Free, o guitarrista diz que ele o vocalista tocaram “naquele assunto” – uma reunião – durante um raro encontro pessoal sobre relançamentos dos Smiths.

Em um trecho de Set the Boy Free, publicado no último sábado, 29, pelo jornal inglês The Guardian, Marr disse que o desejo dele de remasterizar de maneira apropriada os álbuns dos Smiths abriu um canal de comunicação entre ele e Morrisey. Na época, Marr também estava trabalhando com a banda inglesa The Cribs.

Em setembro de 2008, os antigos companheiros de banda estavam em Manchester e decidiram se encontrar para um drink. O encontro foi a primeira vez que eles se viram em mais de uma década.

LEIA TAMBÉM

“Toquei melhor quando estava no Modest Mouse”, disse Marr em entrevista

[Arquivo] Marr encerrou o festival Cultura Inglesa de 2015, em SP

Marr tocou Smiths com o Last Shadow Puppets em Manchester

“Conversamos, como sempre fizemos, sobre discos que amamos e, eventualmente, avançamos para ‘aquele assunto’”, escreveu Marr. “Tinham rolado rumores há anos de que os Smiths iriam retornar, e todos eles não eram verdadeiros. Eu nunca fui atrás de nenhuma oferta.”

“De repente, estávamos falando sobre a possibilidade de reformar a banda e, naquele momento, pareceu que, com a intenção correta, isso poderia realmente ser feito e até mesmo ser grande”, seguiu o guitarrista. “Eu continuaria tocando com o Cribs no nosso álbum e Morrissey também tinha um disco a ser lançado.”

As conversas chegaram ao ponto em que logísticas chegaram a ser discutidas. O novo Smiths teriam de encontrar outro baterista, uma vez que a relação dos outros integrantes com Mike Joyce amargou desde que ele processou Marr e Morrissey, em 1996, devido à divisão de royalties.

“Eu estava genuinamente agraciado por ter voltado a ter contato com Morrissey”, escreveu Marr. “Durante quatro dias, era uma hipótese muito real. Teríamos que ter alguém novo na bateria, mas se os Smiths quisessem voltar, deixaria um monte de pessoas muito felizes, e com todas as nossas experiências, nós poderíamos até ser melhores do que antes.”

A conversa sobre a reunião de Marr e Morrissey aconteceu um ano depois de o vocalista ter rejeitado uma suposta oferta de US$ 75 milhões para reunir-se com Marr. Trazer os Smiths de volta seria muito lucrativo para ambas as partes, mas o dinheiro não foi suficiente para catalisar a reunião.

“Morrissey e eu continuamos nosso diálogo e planejamos nos encontrar novamente”, escreveu Marr. “Fui ao México com o Cribs e, repentinamente, houve um silêncio. Nossa comunicação acabou e as coisas voltaram a como elas estavam e como eu imagino que elas sempre vão estar.”

Veja a capa da autobiografia de Marr abaixo.