Josh Klinghoffer revela que não gostava de comparações com Frusciante: ‘Minha mente dizia que eu era ruim’

A troca de guitarristas no Red Hot Chili Peppers foi anunciada em dezembro

Redação Publicado em 26/01/2020, às 16h00

None
John Frusciante e Josh Klinghoffer (Foto 1: Robert E Klein/AP | Foto 2: Robb Cohen/Invision/AP)

Em dezembro, o Red Hot Chili Peppers anunciou a volta do guitarrista John Frusciante após 10 anos afastado da banda e a saída de Josh Klinghoffer

Desde quando Joshentrou oficialmente para o grupo, há 10 anos, comparações entre ele e Frusciante eram feitas constantemente e, em uma entrevista recente com Marc Maron, o guitarrista revelou que não gostava dessas correlações entre eles. 

+++LEIA MAIS: Josh Klinghoffer ficou calado por 1 minuto ao descobrir que foi substituído por John Frusciante no Red Hot Chili Peppers

"Eu não li na internet, mas nas primeiras turnês que fiz com eles, tinha muita gente me comparando com o John. E eu acho que gastei muito tempo pensando nisso. Fiz todas essas turnês com 20 anos e nunca pude desenvolver meu próprio estilo. Mas eu tocava, aprendia a tocar com as pessoas. Tinha um estilo ali. Mas com os Chili Peppers eu tocava músicas que tinham sido gravadas, famosas no mundo todo, eu tinha o máximo de respeito mas tentava ser eu mesmo, felizmente", contou.

Ele continuou: "Se essa mudança, John voltar, eu sair, tivesse acontecido 5 anos atrás, teria me destruído. Porque teria confirmado tudo que minha mente me dizia, que eu era ruim.. [...] Sim, como eu disse se isso tivesse acontecido 5 anos atrás teria sido difícil para mim. Mas agora, 10 anos, 2 turnês, quase três álbuns, me sinto orgulhoso do que fiz com eles e acho que criamos algo além da música, num âmbito pessoal, somos amigos. Sinto que trouxe algo para todo mundo e tenho muito orgulho. E eu cresci."

+++ LEIA MAIS: Drogas, brigas e genialidade: entenda a história de John Frusciante no Red Hot Chili Peppers

O guitarrista também pontuou que teve muito espaço na banda: "Quando eu entrei era 2009, era diferente. Sou muito grato à forma como eles me receberam em diversos níveis. E é por isso que tem esse álbum de extras. Gravamos muito e eles me deram muito espaço. Fomos longe, chegamos a fazer mais de 50 músicas, 25 ou mais nem chegaram a ser finalizadas."

"Lembro de pensar que achava que estava fazendo um bom trabalho. Flea e eu estávamos tentando ao máximo, mas eu nunca serei capaz de competir com a história que ele e o John tem", finalizou. 


+++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL