Justiça nega pedido de pôr fim à acusação de estupro contra Roman Polanski

Cineasta corre o risco de ser preso, se retornar aos Estados Unidos

Redação Publicado em 25/12/2014, às 13h30 - Atualizado em 26/12/2014, às 13h29

Exposição Roman Polanski. Ator. Diretor abrirá no Rio de Janeiro neste domingo
AP

Após uma oferta feita pelos advogados do cineasta Roman Polanski, um juiz da suprema corte de Los Angeles, James Brandlin, negou o pedido para que fosse encerrado o processo iniciado em 1977 contra Roman Polanski, que foi acusado de estuprar uma jovem de 13 anos.

Entrevista: J.J. Abrams é um homem que sabe, em especial, o que não dizer – tanto sobre Star Trek quanto em Star Wars.

Esta foi mais uma tentativa frustrada do diretor de tentar acabar com o caso sem precisar retornar aos Estados Unidos, já que ele corre o risco de ser preso ao pisar no país. De acordo com um porta-voz, o juiz negou o pedido em uma decisão descrita ao longo de nove páginas. Ele insiste para que Polanski retorne à Califórnia para poder dar continuidade à ação.

O cineasta foi acusado, em 1977, de estuprar uma garota de 13 anos, em Los Angeles, após oferecer drogas e champanhe a ela. Desde então, ele declarou que teve relações ilegais com a menor de idade.