Justin Bieber, Lindsay Lohan e mais: como fama e dinheiro afetam a vida de jovens celebridades? [ANÁLISE]

Popularidade e muito dinheiro podem ser uma combinação corrosiva nas mãos de famosos mirins, que acabam com problemas psicológicos e vícios

Camilla Millan Publicado em 26/01/2020, às 13h00

None
Lindsay Lohan e Justin Bieber presos (Foto: reprodução)

Na última quinta, 23, completou-se seis anos de que Justin Bieber foi preso por dirigir embriagado. Na época, o músico admitiu que tomou cerveja e fumou maconha. Bieber dirigia Lamborghini amarela e disputava um "pega" contra uma Ferrari vermelha em Miami Beach.

Apesar da pouca idade na época (19 anos), Bieber faz parte de uma longa lista de famosos que, na transição para a vida adulta, começaram a ter problemas com vícios e com a justiça. E o envolvimento em crimes e alcoolismo faz parte, muitas vezes, do pacote "sucesso e juventude".

+++ LEIA MAIS: Justin Bieber adia novo disco porque foto não ganhou 20 milhões de curtidas em rede social

Apesar de não ter se envolvido em crimes, Billie Eilish é um exemplo de adolescente que viu sua vida mudar mesmo na juventude. Com o sucesso, a cantora - atualmente com 18 anos - teve que lidar com depressão e ansiedade.

Outros exemplos de jovens que precisaram lutar com doenças mentais e vício em drogas podem ser encontrados no longo catálogo de produções da Disney. Miley Cyrus, Selena GomezDemi Lovato são algumas das adolescentes que sentiram, na vida adulta, o peso da fama precoce.

+++LEIA MAIS: Selena Gomez teve ataque de pânico minutos antes da apresentação no AMA, diz site

E por que tantos casos? A verdade é que a indústria do entretenimento não prepara os jovens para o sucesso. Diversas crianças e adolescentes são inseridos em produções que alcançam popularidade. Os astros então se tornam independentes e não sabem administrar tanto dinheiro e atenção.

Segundo a psicóloga Marleide Rocha, apesar do contexto de vida influenciar no rumo dos jovens famosos, alguns fatores podem contribuir para problemas psicológicos, principalmente a falta de apoio da família, amigos e escola.

"A falta de suporte aliada à superexposição da vida, críticas, frustrações, competitividade, etc, podem exigir desse adolescente recursos emocionais que ele ainda não desenvolveu  e sobrecarregá-lo psicologicamente, comprometendo o desenvolvimento mental adequado", explicou a profissional.

Apesar dos fatores de risco de um jovem famoso ser igual ao de um adolescente comum, Rocha firmou que a popularidade pode ter consequências:  "A fama pode potencializar a dificuldade em lidar com regras, pode fazer uma leitura distorcida da realidade. Consumo de álcool e drogas pode ser também uma válvula de escape para as questões que ele [jovem] tem dificuldade em lidar".

Um dos casos mais famosos de alcoolismo em jovens famosos é o de Daniel Radcliffe, de Harry Potter, que assumiu o abuso de álcool na adolescência. Em 2019, o astro de Harry Potter relatou que o abuso de álcool servia, na juventude, como uma válvula de escape da pressão e paranóia que surgiu com a fama. Segundo Radcliffe, em vários momentos ele se sentia observado e pensava: "Vou beber mais para conseguir ignorar".

Além dele, também há Macaulay Culkin, astro de Esqueceram de Mim, que sofreu com o vício em drogas, além de problemas familiares relacionados à fortuna que ele recebeu na infância.

+++ LEIA MAIS: Daniel Radcliffe fala como a pressão por ser Harry Potter o levou ao alcoolismo 

E o que poderia mudar o cenário de jovens celebridades despreparadas para o sucesso estrondoso? Segundo Marleide Rocha, a chave é o autoconhecimento: "Quanto mais ele souber sobre si, mais conseguirá desenvolver a sua identidade, valores e princípios, independente da sua condição de fama e sucesso". 

+++LEIA MAIS: Em primeira entrevista pós-rehab, Demi Lovato diz que não quer ser lembrada por overdose

De acordo com o artigo de S. Robert Lathan para a Baylor University Medical Center Proceedings, uma das soluções para o vício de drogas entre os jovens passa diretamente pelo tratamento. 

Segundo Lathan, devido aos tratamentos e clínicas de reabilitação, o uso de drogas entre adolescentes caiu praticamente pela metade em 30 anos. O pesquisador também acredita que jovens devem ser educados sobre sobre os perigos para a saúde em relação à substâncias ilícitas, assim como serem informados sobre a doença do vício. 

+++LEIA MAIS: Criadora de Friends relembra as batalhas de Matthew Perry, o Chandler, com o vício

Alguns dos casos mais famosos de como a fama precoce prejudicou jovens celebridades são os de Brittany Murphy e Lindsay Lohan. Ambas se tornaram sucesso com pouca idade e sofreram consequências na transição para a vida adulta, tendo, inclusive, que passar por clínicas de reabilitação.

Brittany Murphy ficou conhecida pela atuação no famoso longa As Patricinhas de Beverly Hills. Com o passar dos anos, anorexia e vício em cocaína começaram a fazer parte das notícias que rodeavam a estrela. Aos 32 anos, em 2009, Murphy foi encontrada morta supostamente por uma gripe que se complicou. No entanto, as causas continuam um mistério.

+++LEIA MAIS: Ozzy Osbourne revisita um passado de vícios e autodestruição em novo clipe cinemático; assista a “Under the Graveyard”

Lindsay Lohan ganhou notoriedade no papel de gêmeas em Operação Cupido. A atriz se envolveu em diversos casos de alcoolismo, além de vício em cocaína. Lohan foi presa diversas vezes, foi internada em clínicas de reabilitação, protagonizou cenas de roubo e até nudez pública em uma loja.

A superexposição desses jovens parece ser um dos grandes problemas entre as celebridades adolescentes, principalmente no relacionamento com os fãs. Um ídolo, principalmente jovem, sofre consequências devido à pressão - e muitas vezes não sabe lidar com isso.

"Existe a idealização e o amor platônico pelo ídolo, mas existe a cobrança, julgamento, invasão de privacidade. Isso pode trazer consequências à saúde mental de ambos", explica a psicóloga Marleide Rocha.

Apesar de um referencil ser algo bom para os jovens fãs, comportamentos excessivos tendem a prejucar os famosos: "O ídolo precisa se preservar, aprender a filtrar os comportamentos do fã e vice-versa, e compreender a influência direta que exerce na vida do fã: consumo, estilo de vida, hábitos alimentares etc.

Segundo Rocha, o famoso "também precisa estar preparado para lidar com a efemeridade, afinal, ídolos são substituídos e muitas vezes o sucesso dura para sempre".

Apesar das várias recomendações e avisos, não é regra que a jovem celebridade terá exito em escapar dos vícios, assim como não é certo que ela se envolverá em atividades ilícitas ou desenvolverá depressão e outras doenças. Diversas crianças famosas encararam a popularidade com maturidade e souberam manter um equilíbrio entre o profissional e o pessoal.

+++LEIA MAIS: Billie Eilish sobre depressão: "eu não achava que seria feliz novamente"

Maisa Silva, por exemplo, é uma apresentadora, youtuber e atriz brasileira de 17 anos. A estrela alcançou a popularidade aos 3 anos em um programa de calouros, e desde então não parou de fazer aparições na televisão e alcançar fãs nas redes sociais.

Atualmente, a atriz compartilha diversas questões pessoais nas redes sociais. Além disso, Maisa Silva propõe aos fãs reflexões sobre relacionamentos abusivos, machismo e outros temas de importância para a sociedade.

+++ Leia Mais: Tom Felton ensina Emma Watson a tocar violão em mini-reunião de Harry Potter

Outro exemplo de criança-prodígio que não se envolveu em drogas e álcoolismo é Emma Watson. A atriz de Hermione em Harry Potter está com 29 anos, e além de ativista para causas de sustentabilidade ambiental, a estrela atua como Embaixadora da Boa Vontade da ONU Mulheres e propaga a liberdade e a igualdade entre os gêneros.

Watson também conseguiu terminar os estudos e se formar na universidade, mesmo com as gravações de Harry Potter. A atriz é bacharel em literatura inglesa e pretende continuar estudando e dando palestras para inspirar pessoas ao seu redor. 

+++ LEIA MAIS: Tom Felton e Emma Watson tinham "faísca" de romance no set de Harry Potter, revela Rupert Grint


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 1), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL