K-pagode: conheça o pagode coreano que viralizou com o grupo Tell a Tale

A banda sul-coreana faz sucesso com covers de artistas brasileiros de pagode

Camilla Millan Publicado em 08/06/2020, às 07h00

None
Grupo Tell a Tale (Foto: Reprodução/YouTube)

O K-pop, gênero nascido na Coreia do Sul, é mundialmente famoso. Grupos como BTS, BLACKPINK e EXO conquistaram fãs ao redor do mundo, inclusive no Brasil. No entanto, outro estilo musical também tem seguidores nos dois países: o pagode.

+++ LEIA MAIS: J-Hope, do BTS, é o primeiro artista sul-coreano a atingir marca histórica no Spotify

Você já ouviu falar em pagode corano? O gênero musical nascido no Brasil alcançou outros países no mundo, inclusive a Coreia - e um exemplo deste compartilhamento de culturas entre as nações é o grupo Tell a Tale.


A origem do pagode remete à década de 1970, no Rio de Janeiro. Subgênero do samba, o estilo musical popular é característico pelas letras harmoniosas, humoradas e a instrumentação que inclui o famoso cavaquinho, pandeiro e inúmeros outros.

+++LEIA MAIS: Ryan Reynolds tieta estrelas de k-pop EXO: “Faço parte do grupo”

Apesar de caracteristicamente brasileiro, o grupo sul-coreano chamado Tell a Tale ficou famoso nas redes sociais justamente por tocar o gênero musical com muito talento e carisma.

Formada há dois anos pelo percussionista Do Jun Hong, o cantor Kim Wontae e o músico Sebeen, a banda viralizou no YouTube pelos covers de hits do samba e do pagode, como "Coração Radiante", do Grupo Revelação, e "Pé Na Areia", do Diogo Nogueira - todos os vídeos com a tradução da letra em coreano.

+++LEIA MAIS: De quarentena com a Ludmilla: novo EP de pagode, Metallica e La Casa de Papel

 

Com mais de 37 mil inscritos no canal oficial do YouTube e 11 mil seguidores no Instagram -incluindo muitos brasileiros - o Tell a Tale passou a investir na publicação de covers nacionais, incluindo legendas em português para os fãs do país.

 

No início de 2020, o Domingo Espetacular entrevistou o integrante Sebeen, de 21 anos, que passou uma temporada no Brasil com alguns amigos - todos os alunos da Escola da Alegria, uma escola de samba em Seul, capital da Coreia do Sul.

Segundo o músico, apesar de conseguirem fazer os covers das bandas brasileiras, eles não entendem o significado de tudo que cantam, muitas vezes apenas reproduzindo as palavras das canções originais. 

A matéria também conseguiu falar com os outros dois músicos da banda, Kim Wontae e Do Jun Hong. "Escuto samba e pagode o dia todo, todo dia", explicou Wontae sobre a paixão pelo gênero musical.

O artista também explicou que os músicos da banda sabem tocar instrumentos brasileiros há mais de sete anos e deixou uma mensagem para os fãs: "Obrigado por escutar nossas músicas sem preconceito e por serem tão gentis com a gente. Nós queremos tocar no Brasil para vocês. Por favor, nos convide!".

Nas redes sociais e YouTube, a banda já compartilhou covers de “Lancinho”, da Turma do Pagode, “É Tarde Demais”, do Raça Negra, "Outdoor", do Alexandre Pires, e "Não Precisa Mudar", de Ivete Sangalo e Saulo Fernandes

+++LEIA MAIS: Governador de Goiás alerta sobre doação falsa em nome dele na live de Wesley Safadão e Raça Negra

Além de covers, os músicos do Tell a Tale compõem canções autorais de samba e pagode, e provam que o gênero musical realmente ultrapassa oceanos.

Nas redes sociais, os músicos coreanos do Tell a Tale fazem sucesso, com usuários comentando até a troca de culturas: “O brasileiro adora o k-pop e os coreanos adoram o pagode. Química é isso”.

Outros usuários no Twitter indicam o Tell a Tale e elogiam o grupo: “Pesquisem Tell a Tale no YouTube, é incrível, juro”. Outro perfil comentou: “Não sabia até hoje que precisava de K-Pagode na minha vida”.


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE