Kanye West fala sobre aniversário de dez anos de College Dropout

“Eu ainda sou o mesmo garoto de Chicago, sonhando alto”, diz ele

Rolling Stone EUA Publicado em 11/02/2014, às 17h26 - Atualizado às 18h28

Kanye West
AP

Mesmo não tendo ficado lá por muito tempo, Kanye West não esqueceu da faculdade dele. No décimo aniversário do lançamento do álbum estreia, The College Dropout, o rapper escreveu vários tuítes explicando o quão grato ele é pelo disco e como ele serviu de ponto de partida de seu atual sucesso.

As dez maiores brigas da história do rap.

“Há dez anos, nós finalmente lançamos o que tinha sido todo o trabalho da minha vida até então: The College Dropout”, ele escreveu. “Eu digo ‘finalmente’ porque é um longo percurso, uma luta constante e um verdadeiro trabalho de amor, não só para convencer meus colegas e o público de que eu poderia ser um artista, mas para realmente conseguir lançar aquela arte para o mundo ouvir.

Relembre dez grandes shows da história do Grammy. Entre eles, uma performance de Kanye West e Jamie Foxx.

Eu sou extremamente grato a todas as pessoas que me ajudaram ao longo do caminho, que me emprestaram os ouvidos, a voz, entregaram seu coração ao projeto, aos projetos seguintes e aos que virão. Eu me sinto honrado e grato pelos meus fãs que demonstraram amor e apoio inabalável ao longo dos últimos 10 anos.

Os 24 momentos mais insanos da história do VMA.

Eu acordo todo dia tentando retornar algo para vocês, algo que vocês possam curtir e se orgulhar. Dez anos depois, eu ainda sou o mesmo garoto de Chicago, sonhando com alto, batendo na porta. As portas podem ser mais pesadas, mas eu prometo a vocês que EU IREI QUEBRÁ-LAS.”

Na sua primeira aparição na Rolling Stone EUA em 2004, em uma matéria publicada após o lançamento de Dropout, West se descreveu como “uma versão engraçada de Dead Prez”. “Eu sou a versão rap de Dave Chappelle”, ele disse. “Não estou dizendo que sou tão talentoso quando Chappelle quando se trata de comentário político e social, mas como ele, estou rindo para não chorar.”

Na resenha original da Rolling Stone EUA do álbum, Jon Caramanica escreveu, “O triunfo dele é o seu som acolhedor – samples de soul empoeirados, hinos gospel, uma bateria que estoura como se fosse a primeira vez que foi tocada. Ele também consegue mostrar vulnerabilidade por trás de um hip-hop mainstream brilhoso.”

O álbum ficaria em décimo lugar na lista da Rolling Stone EUA dos Melhores Álbuns dos anos 2000 e em 19º na lista de Melhores Álbuns de Estreia de Todos os Tempos.