Kate Winslet está arrependida de ter trabalhado com Woody Allen e Polanski

A atriz afirmou que quer assumir a responsabilidade pelas escolhas delas para ser tornar um “exemplo decente” para as mulheres

Redação Publicado em 11/09/2020, às 11h01

None
Kate Winslet (Foto: Getty Images / Mike Windle)

Kate Winslet revelou estar arrependida de ter trabalhado com Woody Allen e Roman Polanski ao longo da carreira. Em entrevista à Vanity Fair, a atriz afirmou que decidiu assumir a responsabilidade pelas escolhas dela. (Via Revista Quem)

Nos anos 1970, Polanski foi acusado de drogar e estuprar uma garota de 13 anos de idade. O cineasta confessou que havia tido relações sexuais com a menina, mas negou o crime e fugiu dos Estados Unidos, onde havia sido condenado. Ao longo dos anos, Polanskifoi acusado por inúmeras outras mulheres de abuso. 

+++ LEIA MAIS: Kate Winslet explica preparação para cena de sexo com Saoirse Ronan em Ammonite

Allen foi acusado de abusar da enteada, Dylan Farrow, enquanto ela ainda era criança, na década de 1990. O diretor negou ter cometido o crime.

Kate trabalhou com Polanski no filme Deus da Carnificina, em 2011, e com Allen em Roda Gigante, de 2017. Desde então, a atriz foi cobrada por fãs por ter participado de produções dos cineastas. 

+++LEIA MAIS: Por que Kate Winslet teve medo de trabalhar com Leonardo DiCaprio em Titanic? 

"O que diabos eu estava fazendo?”, disse a artista à Vanity Fair. “É inacreditável para mim agora como aqueles homens foram tidos em tão alta consideração e tão amplamente na indústria cinematográfica e por tanto tempo. É uma vergonha. E tenho que assumir a responsabilidade pelo fato de ter trabalhado com os dois."

Kate ainda disse que quer ser honesta e pretende lutar contra os arrependimentos para se tornar um “exemplo decente” para outras mulheres. "Eu não posso voltar no tempo. Estou lutando contra esses arrependimentos, mas o que temos se não formos capazes de ser apenas honestos sobre tudo isso?", declarou a atriz. 


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'