The Kills: “O rock é atitude”, diz Jamie Hince

Duo formado pelo guitarrista britânico e por Alison Mosshart retorna ao Brasil após seis anos, como atração do Rock in Rio e do São Paulo Trip

Anna Mota Publicado em 21/09/2017, às 12h00

Alison e Hince: “Rock é atitude”, diz o músico

Ver Galeria
(2 imagens)

Cinco anos passaram sem novidades para os fãs do The Kills, até que o jejum foi quebrado no ano passado por Ash & Ice. O disco antecessor, Blood Pressures, saiu em 2011, mesmo ano em que o duo formado por Alison Mosshart e Jamie Hince veio ao Brasil pela última vez. Em setembro, eles retornam ao país com a turnê do novo álbum e muita animação.

“Eu nem consigo acreditar que já faz tanto tempo [desde a última vinda ao Brasil]. Temos tanta coisa para mostrar. O público brasileiro é um dos meus favoritos do mundo”, afirma Hince. Neste ano, a dupla vai às mesmas cidades onde esteve em 2011, só que com o desafio de atingir públicos muito maiores. Se antes fizeram shows no Circo Voador, no Rio de Janeiro, e no Beco 203, em São Paulo, agora voltam como atrações do Rock in Rio (21/9) e do São Paulo Trip (23/9, mesma noite em que se apresenta o Bon Jovi). “Vai ser divertido”, garante.

Relembre como foi o último show do The Kills em São Paulo

E os fãs podem esperar novidades nos shows do The Kills. “Acabamos de masterizar um single, e é possível que ele seja lançado ainda em setembro. Então, acredito que podemos trazer um material inédito para o Rock in Rio e para o São Paulo Trip”, revela o guitarrista.

A música inédita chegará pouco após Echo Home Non-Electric EP, lançado em junho para celebrar os 15 anos do duo, que divulgou o EP de estreia, Black Rooster, em 2002. O trabalho acústico que saiu em 2017 conta com cinco faixas, releituras de “Wait”, “Echo Home” e “That Love”, além de uma cover vagarosa de “Desperado”, da Rihanna.

Para Hince, o fato de o EP contar com menos riffs de guitarra e com uma versão da música da diva pop só faz com que ele seja “mais rock and roll”. “As pessoas ligam a guitarra ao rock, mas o gênero vai muito além disso, é atitude. Não importa qual instrumento você está tocando. [O rapper] Tyler, The Creator é muito mais rock and roll do que muitas bandas que tocam guitarra hoje em dia, por exemplo.”