The Kills se apresenta nesta quarta, 26, em São Paulo

Alison Mosshart fala à Rolling Stone Brasil sobre a vinda da banda ao país, o novo álbum e planos com o Dead Weather

Patrícia Colombo Publicado em 26/10/2011, às 20h13 - Atualizado às 20h43

The Kills fará dois shows em São Paulo
Foto: Reprodução/Facebook Oficial

The Kills, formado por Alison Mosshart e Jamie Hince, lançou neste ano o disco Blood Pressures e decidiu encaixar o Brasil em sua mais nova turnê, com duas datas marcadas – o primeiro show rola na noite desta quarta, 26, no Beco 203, em São Paulo, durante o festival Popload Gig (o segundo acontece na quinta, 27, no mesmo local). “A gente já deveria ter voltado, faz muito tempo que vistamos o Brasil e estou muito empolgada por poder retornar”, disse Alison à Rolling Stone Brasil, citando a última passagem do duo, em 2005.

A cantora é conhecida não só por unir forças a Hince no Kills, como também por outros projetos paralelos, entre eles o Dead Weather (supergrupo que ainda conta com Jack White, Dean Fertita, do Queens of the Stone Age e Jack Lawrence, do Raconteurs e The Greenhornes). A união da moça a um time masculino de músicos, aliás, é algo comum em sua carreira - a primeira banda de Alison nos anos 90, Discount, era formada por ela junto a “um bando de skatistas”. “Eu posso ser bastante mandona também! [risos]. Acho bom demais trabalhar com alguém do sexo oposto para balancear o ambiente, dar um equilíbrio nas ideias, nos significados das coisas. Passa a haver os dois pontos de vista. Acho legal misturar desse jeito”, conta ela.

Pouco tempo antes do Dead Weather finalizar a turnê de Sea of Cowards (segundo disco da banda, lançado em maio de 2010), Alison deu início aos trabalhos de Blood Pressures com Hince. A experiência de intercalar duas semanas em estúdio, depois duas semanas na estrada não foi das mais tranquilas. “Posso dizer que isso fodeu com a minha cabeça [risos]. Foi bem confuso”, brinca. Em cerca de seis meses o álbum (o quarto de inéditas) ficou pronto, sendo lançado em abril deste ano. “A intenção era não tentar soar como outros trabalhos do Kills e não soar como Dead Weather, claro”, ela conta. “Queríamos algo original. Somos uma banda de dois integrantes, então é difícil não se repetir. Tanto eu quanto o Jamie compomos e tocamos violão e trabalhamos bastante nas canções para que elas ficassem interessantes, sob o nosso ponto de vista.”

A dupla se conheceu no final dos anos 90, na Inglaterra, país de origem do seu companheiro de banda (e senhor Kate Moss, diga-se de passagem). “O Kills começou com um gravador de fita cassete com quatro canais em nossos quartos, mandando pelo correio as músicas um para o outro, atravessando o oceano. Isso não aconteceria hoje com a tecnologia”, lembra a norte-americana.

Futuro com o Dead Weather

Com a banda, Alison lançou dois álbuns, Horehound, de 2009, além do já citado Sea of Cowards. A curiosidade sobre os planos e possibilidades de um novo disco com o Dead Weather acaba surgindo naturalmente para qualquer fã – e saiba que a empolgação também é identificada na própria cantora, que altera o tom de voz ao comentar carinhosamente dos colegas. “Amo aquela banda, amo os meninos, eles são demais. E o mais maravilhoso daquilo tudo é que foi espontâneo e totalmente não planejado”, diz. “No momento, todos estão ocupados e com mil coisas para fazer. Nos divertimos muito e tenho certeza de que algo vai rolar novamente. Só não sei dizer quando porque será tipo aquele momento mágico em que as coisas simplesmente acontecem. Mas não é tão louco quanto parece, vai acontecer porque sempre nos encontramos por aí.”