Kings of Leon apoia movimento #MeToo na música: 'As pessoas não foram punidas'

Os integrantes da banda também falaram sobre a experiência de ser pai de mulheres

Redação Publicado em 08/03/2021, às 09h12

None
Kings of Leon (Foto: Matthew Followill)

No mesmo dia em que lançou o oitavo disco da carreira, When You See Yourself, a banda Kings Of Leon estrelou a edição especial da série The Big Read, da NME, e falou sobre o movimento feminista #MeToo na indústria da música. (Via NME)

Caleb Followill, vocalista e guitarrista do grupo, disse que se sente "péssimo" por certas pessoas não terem sido punidas pelos próprios comportamentos. “Muitas coisas aconteceram por muito tempo e as pessoas não foram punidas por isso. Eu me sinto péssimo por terem acontecido por tanto tempo.”

+++LEIA MAIS: 6 músicas que mostram a genialidade de Caleb Followill, do Kings of Leon

O líder da banda também falou sobre como o movimento afetou a visão dele sobre as próprias atitudes e disse que "essa m*rda não é mais aceitável" e "nunca deveria ter sido aceita."

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes

+++LEIA MAIS: As músicas mais ouvidas da década de 2010 [LISTA]

“Ninguém é perfeito, obviamente. Certamente não sou perfeito. Mas, avançando, acho que todo mundo percebe que essa m*rda não é mais aceitável. E nunca deveria ter acontecido,” disse o músico.

A banda ainda falou sobre a paternidade durante a entrevista e como é ser um astro do rock quando se tem uma filha em casa. “É muito mais difícil ser pai de uma filha,” falou o baterista Nathan Followill, que passou a repensar comportamentos hedônicos e clichês do rock'n'roll.


+++ HAIKAISS: 'O TRAP TAMBÉM PASSA UMA MENSAGEM CONSCIENTE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL