Pulse

Kiss: os 10 melhores discos da história da banda [LISTA]

Em quase meio século de carreira, o grupo gravou 20 álbuns. Selecionamos os melhores:

Richard Bienstock, Rolling Stone EUA Publicado em 19/10/2019, às 14h00

None
Gene Simmons, Thommy Thayer e Paul Stanley (Foto:Sebastian Willnow/picture-alliance/dpa/AP Images)

Em 1974, Kiss lançou seu álbum de estreia, Kiss, gravado em estúdio e considerado um dos discos mais famosos do grupo. Além de 20 trabalhos em estúdio e 11 de compilação, a banda também tem 10 álbuns ao vivo, mas quantidade, para muitos críticos do Kiss, não siginifica qualidade.

+++LEIA MAIS: Paul Stanley, do Kiss, pretende assustar tubarões brancos com show "submerso"

Desde o começo da banda, muito mudou. Em 2014, foi introduzida ao Hall da Fama do Rock- cuja formação original consistia em Paul Stanley, Gene Simmons, Ace Frehley e Peter Criss (também conhecidos como Starchild, Demon, Spaceman e Catman) - o que parecia provocar um cessar-fogo entre o Kiss Army e os detratores da banda, embora apenas momentaneamente.

No entanto, a batalha crítica continuou, mesmo que tenha permanecido o fato de que, sob a grande quantidade de maquiagem e o merchandising, existe uma pilha cheia de música muito boa. Você quer o melhor? Você consegue o melhor. 

+++LEIA MAIS: Kiss: conheça a história por trás da famosa introdução dos shows da banda

A Rolling Stone separou os 10 melhores discos - sem considerar os trabalhos individuais - do Kiss, grupo cujos fãs acreditam que foi, é, e será para sempre a banda mais quente do mundo; confira:

Hot in the Shade (1989)

Quando os fãs escolhem o melhor álbum da época sem maquiagem da banda, eles normalmente optam pelo primeiro, de 1983, Lick It Up, ou o último, de 1992, chamado Revenge. No entanto, enquanto o primeiro possui apenas uma faixa-título excelente, e o segundo parece que a banda está tentando um pouco demais para ser bom, Hot in the Shade é diferente. 

+++LEIA MAIS: Elvis Presley, Kiss, Gerard Way e como a maquiagem masculina impactou 11 gêneros do rock

O álbum de 1989 se mantém, surpreendentemente, como uma base sólida do hard rock do final dos anos 1980. Apesar das 15 músicas no disco representarem uma lista desnecessariamente longa, os pontos altos se sobressaem: a abertura de “Rise to It”, a condução de “Silver Spoon”, assim como Eric Carr, baterista da banda cantando em “Litte Caeser”, e o primeiro single “Hide Your Heart” - gravado três vezes. 

Alive II (1977)

Lançado apenas dois anos depois de Alive!, o disco duplo Alive II reproduz a fórmula blockbuster de seu antecessor, mas com uma lista de músicas inteiramente nova. Além disso, ao ignorar qualquer coisa gravada antes de Alive!, o Kiss também demonstrou a quantidade de bons trabalhos - “Detroit Rock City,” “King of the Night Time World,” “Shock Me,” “Love Gun,” “Shout It Out Loud” - editados em um período ridiculamente curto de tempo.

+++LEIA MAIS: Gene Simmons, do Kiss, é hospitalizado em Los Angeles para passar por cirurgia emergencial

E embora o quarto lado do Alive II consista em alguns originais gravados em estúdio e uma capa, que parecem completamente desnecessários, contém uma preciosidade de fundo no "Rocket Ride", escrito por Frehley: um acelerar em ritmo desagradável, riff de guitarra com várias fases e cobertura por um vocal de Ace caracteristicamente tonto. 

Rock and Roll Over (1976)

Depois das indulgências do estúdio de Destroyer, o Kiss optou por recuar em seu som, recrutando Eddie Kramer. O produtor realizou trabalhos como o álbum Alive!, assim como a demo de 1973 da banda e a gravação dela em um antigo teatro ao norte da cidade de Nova York para capturar uma sensação mais "ao vivo".

+++LEIA MAIS: Kiss confirma show no Brasil com vídeo no telão do Rockfest, em São Paulo; assista

E o resultado foi uma coleção de 10 músicas, com destaque para "Calling Dr. Love", de Simmons, e "Makin' Love", de Stanley. A última canção é ainda mais especial devido ao riff sinuoso que ostenta, semelhante à "Toys In the Attic", do Aerosmith. Além disso, o sucesso do disco se assemelha à "Hard Luck Woman", uma balada acústica esquisita cantada por Peter Criss. O single alcançou o Top 20 para o Kiss.

Creatures of the Night (1982)

Lançado depois de Dynasty, o rock suave de Unmasked e o álbum conceitual The Elder, o Creatures of the Night foi considerado por muitos um retorno do Kiss à forma. No entanto, o disco revelou o nascimento de uma banda inteiramente nova, que passou a estar envolta em um brilho metálico próprio dos anos 1980.

+++LEIA MAIS: Kiss usava camisetas da banda feitas à mão no início da carreira; veja foto

Depois de anos, Eric Carr surgiu como um baterista mais forte e enérgico, e Frehley foi substituído por um grupo mais trêmulo de guitarristas, liderados por Vinnie Vincent. E o resultado? Um som e abordagem empolgantes em um álbum que pôde superar quase qualquer trabalho de hard rock ou mainstream lançado naquele ano.

Dressed to Kill (1975)

Pode não ser tão forte em termos de composição quanto Hotter Then Hell, mas Dressed to Kill é, certamente, um álbum mais focado e sonoramente mais forte. Sem mencionar o quesito animação, como em "Love Her All I Can", "Room Service" "Anything for My Baby" e o mais próximo, "Rock and Roll All Nite".

+++LEIA MAIS: Baterista do Kiss, Eric Singer se torna policial com maquiagem e roupa de show

No geral, é um álbum cujo som foi feito para o palco, essencialmente. Isso se deve ao fato de que, apesar da banda, na época, ainda lutar para alcançar as paradas, já tornava-se grande do circuito de turnês. Isso explica diversos tributos em músicas como "Ladies in Waiting", de Simmons, e "Room Service", de Stanley.

Hotter Than Hell (1974)

A produção, assim como a arte do álbum, deixa muito a desejar, e a gravação basicamente afundou depois do lançamento. No entanto, Hotter Than Hell possui bom conteúdo: a faixa-título "Got to Choose" é formada por riff-rockers de primeira linha, com um groove glamuroso, aprimorado pelo fato de que ambos soam como se a banda estivesse tocando em meia velocidade.

+++LEIA MAIS: Kiss vende camisetas oficiais com erro de digitação no nome da cidade do show; fãs criticam

Enquanto isso, "Parasite" e "Strange Ways" mostram o Kiss em um projeto de intensificar seu som - mesmo que apenas nove meses depois da estreia. Ambas as canções tornaram-se covers nos instrumentos e vocais de Anthrax e Megadeth, respectivamente. 

Love Gun (1977)

Considerado o último esforço do Kiss nos anos de glória, Love Guntem músicas de primeira qualidade, como "I Stole Your Love", a faixa principal. No entanto, o álbum também representou o trabalho em equipe da banda: pela primeira vez, todos os quatro membros contribuíram com vocais principais, em destaque para "Shock Me", de Ace Frehley

+++LEIA MAIS: Corey Taylor sobre o Kiss: "sempre usaram a mesma maquiagem e nunca evoluíram"

Além do auxílio vocal, o trabalho também representou um grande esforço instrumental de todos os integrantes da banda, e incluiu participações de guitarra e baixo de Stanley, assim como alguns trabalhos em seis cordas tocados por Simmons.  

Destroyer (1976)

Alive! foi o trabalho responsável por posicionar o Kiss como a banda mais quente do mundo ao vivo. Com o produtor de Alice Cooper/Lou Reed, Bob Ezrin, em Destroyer, os arranjos tornaram-se mais intrincados e os sons mais diversos, e incluiu apresentações de cordas da  banda e do produtor em "Beth". Os outros ruídos incluíam barulhos de carro, como em "Detroit Rock City" e até o Brooklyn Boys Chorus, em "Grandes Expectativas".

+++LEIA MAIS: Gene Simmons adorou o novo Pokémon que parece integrante do Kiss

Se citarmos "God of Thunder", "Shout It Out Loud" e o positivamente explosivo "King of the Night Time World", Destroyer pode ser considerado um álbum que mostra Kiss no topo, mesmo quando algumas rachaduras estavam começando a aparecer.

Alive! (1975)

A emocionante cena da capa do álbum por si só foi suficiente para lotar as apresentações da banda. No entanto, Kiss sempre foi bom em ilusão, e com o álbum duplo de 1975, o grupo trouxe à tona toda a loucura da experiência ao vivo do Kiss: explosiva, respirando fogo, vomitando sangue e com manchas de graxa. Tudo isso era dirigido diretamente para o quarto de todos os adolescentes, através de seus enormes fone de ouvido e diretamente na corrente sanguínea coletiva.

+++LEIA MAIS: Afinal, o Kiss copiou o Secos e Molhados para criar suas máscaras?

A lista de faixas é uma verdadeira seleção das melhores músicas dos três primeiros álbuns da banda, com ritmos ampliados e ruídos de multidão, responsáveis por corrigir as performances injustamente moles do estúdio que selava alguns dos originais, em particular o material de Hotter Than Hell.

Kiss (1974)

O álbum de estreia do Kiss foi lançado com uma energia e exuberância que até o muito elogiado Alive! não corresponde. E em termos de música, não há nada ruim no disco: o corte de Leadoff em "Strutter", uma pepita glam-pop de Stanley/Simmons que soa exatamente como o seu título, permanece talvez o melhor momento registrado do Kiss. Mesmo assim, é preciso considerar a segunda faixa, "Nothin 'to Lose", como o segundo melhor instante, incluindo uma flutuante linha melódica liderada por baixo, assim como harmonias eufóricas de Beatles e falsete.