La Casa de Papel: ator do Professor indica futuro sombrio para o personagem

Álvaro Morte falou sobre qual final ele imagina para o Professor

Redação Publicado em 01/06/2020, às 09h48

None
Professor em La Casa de Papel (Foto: Reprodução)

Atenção: o texto possui spoilers da quarta temporada de La Casa de Papel.

O final da quarta temporada de La Casa de Papel finalizou com um momento de sucesso para Professor (Álvaro Morte) e companhia, já que a personagem Raquel Murillo/Lisboa (Itziar Ituño), interesse amoroso dele, conseguiu escapar dos policiais e se juntou ao roubo no Banco da Espanha. No entanto, o líder dos assaltantes foi pego pela inspetora Sierra (Najwa Nimri).

Durante o Chelsea Film Festival, Álvaro Morte foi perguntado sobre como ele vê o final do personagem dele na série. "Estou ciente de que este comentário me tornará muito impopular", disse. "O Professor era um cara muito estranho, um cara muito solitário e o que aconteceu com o grupo e o encontro do amor, é realmente um pequeno capítulo na vida dele".

+++LEIA MAIS: Terceira temporada Dark, da Netflix: 4 filmes e séries para entrar na 'vibe' de ficção científica e viagem no tempo [Listas]

Morte finalizou: "Se estamos falando sobre o final do personagem, acho que em determinado momento, gostaria de vê-lo voltar para aquela solidão, para aquela vida solitária com a qual ele está mais acostumado e parece mais confortável".

Ou seja, se o Professor tiver esse final sombrio, significaria que Lisboa pode terminar com ele ou morrer. Segundo o Express, Itziar Ituño também foi questionada se imagina um futuro da personagem dela.

+++LEIA MAIS: Friends: ‘É incrivelmente retrógrada’, diz atriz da série

Ituño acha que o futuro dela seria sem o Professor, porque "Raquel gostaria de ver a mãe e filha dela". A atriz continuou: "No começo [da série], tratava-se de capturar bandidos sem vítimas possíveis, pelo menos".

No entanto, "quando Lisboa se apaixona, é basicamente como se estivesse com os olhos vendados pela coisa toda e então ela começa a perceber que estava defendendo o que não era aquilo em que acreditava, que era o sistema".


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE