La Teta Asustada leva Urso de Ouro

Cinema latino-americano recebe cinco prêmios no 59° Festival de Berlim, inclusive os de melhor filme e melhor longa de diretor estreante

Da redação Publicado em 16/02/2009, às 16h32

A noite de sábado, 14, foi de comemoração para o cinema latino-americano. No total, cinco prêmios conquistados no 59° Festival de Berlim, inclusive os de melhor filme (La Teta Asustada - Peru) e melhor longa de diretor estreante (Gigante - Argentina/Uruguai).

Vencedor do Urso de Ouro, La Teta Asustada conta a história de Fausta (Magaly Solier), e de como a garota quíchua (linhagem indígena dos Andes) lida com um medo passado de geração para geração. Sua mãe foi vítima de abuso sexual durante a época dos conflitos internos no Peru, que envolviam principalmente o grupo terrorista Sendero Luminoso. Cantora, Fausta se muda do interior para a capital, Lima, para trabalhar como empregada doméstica.

Magaly nasceu em Guanta, primeira cidade tomada pelo Sendero Luminoso e última a ser libertada. Cantora e compositora também na vida real, escreveu as músicas que a personagem interpreta durante o filme.

Em entrevista à Folha de S. Paulo desta segunda, a diretora de La Teta Asustada, Claudia Llosa, disse que queria se referir "à permanência perpétua da ferida. Falar das feridas emocionais provocadas por uma guerra civil, uma guerra entre irmãos, e como isso se transmite de geração para geração".

Veja a lista com os principais vencedores:

Urso de Ouro (melhor filme)

La Teta Asustada, de Claudia Llosa (Peru/Espanha)

Prêmio Especial do Júri

Everyone Else, de Maren Ade (Alemanha)

Gigante, de Adrián Biniez (Argentina/Uruguai/Alemanha)

Melhor longa de diretor estreante

Gigante, de Adrián Biniez (Argentina/Uruguai/Alemanha)

Melhor diretor

Asghar Farhadi, por About Elly (Irã)

Melhor atriz

Birght Minichmayr, por Everyone Else

Melhor ator

Sotigui Kouyate, por London River (Reino Unido/França)

Melhor roteiro

Oren Moverman e Alessandro Camon, por The Messenger (EUA)

Prêmio Alfred Bauer

Gigante e Sweet Rush, de Andrjez Wajda (Polônia)

Melhor estréia

Gigante

Melhor curta

Please Say Something, de David O'Reilly (Irlanda)

Prêmio C.I.A.C. (Confederação Internacional de Cinema de Arte e Ensaio)

Ander, de Roberto Castón (Espanha)