Lady Gaga enfrenta processo de US$ 10 milhões

Fabricante afirma que estrela causou prejuízo ao atrasar acordo para produção de uma linha de bonecas com seu nome

Rolling Stone EUA Publicado em 25/07/2012, às 13h26 - Atualizado às 13h43

Lady Gaga
AP

A MGA Entertainment, responsável pela popular marca de bonecas Bratz, entrou na justiça contra Lady Gaga e seus empresários por quebra de contrato, segundo informou o site Bloomberg. A empresa alega que a cantora, a Atom Factory, que gere sua carreira, e a Bravado International Group, responsável pelos contratos de merchandising da estrela, atrasaram um acordo para aprovar uma linha de produtos de Gaga e estão sendo processados em cerca de US$ 10 milhões pelos danos causados.

Gaga estampou a capa da Rolling Stone três vezes. Clique aqui para ler a íntegra das entrevistas.

O processo, que está em andamento em Nova York, alega que o acordo entre MGA e Bravado foi feito em dezembro de 2011 e cita até “insistência” da empresa de merchandising. A MGA pagou então US$ 1 milhão para obter os direitos até o meio deste ano, mas foi avisada em abril que a cantora gostaria de adiar a produção para 2013, para que assim coincidisse com um possível novo álbum.

Lady Gaga, Justin Bieber, Rihanna: veja galeria de artistas que emprestaram sua imagem para campanhas de perfumes

A fabricante afirma que o atraso danou os planos comerciais da empresa e causou um prejuízo de US$ 28 milhões. “A conduta dos réus é flagrante, de má fé, especialmente se considerado o fato de que a MGA, entre outras coisas, pagou para a Bravado US$ 1 milhão adiantadamente, concordando com uma excessivamente generosa recompensa pelos direitos de imagem, investindo milhões na pré-produção da linha de bonecas da Lady Gaga e colocando sua reputação e benevolência em jogo para assegurar distribuidores e garantir espaços nas prateleiras das lojas”, descreve o processo.

Um porta-voz de Lady Gaga revelou ao Bloomberg que a cantora não estava ciente do entrave e que embora a estrela não tenha “razões legais” para estar listada como réu, “vai se defender vigorosamente da acusação mal formulada da MGA e está confiante de que irá prevalecer”.